PUBLICIDADE
Topo

UE e Reino Unido alertam sobre 'profundas divergências' em negociação comercial

02/07/2020 11h41

Bruxelas, 2 Jul 2020 (AFP) - A União Europeia (UE) e o Reino Unido alertaram nesta quinta-feira (02) em declarações sobre as "profundas divergências" persistentes nas discussões sobre sua futura relação comercial, após outra rodada de negociações.

"Nosso objetivo era conseguir que a negociação tivesse êxito e se desenvolvesse rapidamente (...) Após quatro dias de discussões, continuam existindo profundas divergências", disse o negociador da UE, Michel Barnier.

Seu colega britânico, David Frost, falou por sua parte de "diferenças significativas que persistem (...) sobre várias questões importantes", afirmando, no entanto, que as negociações continuarão na próxima semana em Londres.

O Reino Unido saiu da UE em 31 de janeiro, embora permaneça no mercado único e na união aduaneira, enquanto negocia sua futura relação comercial com o bloque no final do período de transição, que acaba no final do ano.

Diante da rejeição de Londres em prolongar a transição, os líderes britânicos e europeus decidiram em junho realizar uma negociação com encontros semanais em julho, focados especialmente nos principais problemas.

As primeiras negociações em meio a este novo impulso foram resolvidas sem muitos detalhes sobre seu conteúdo e com dois comunicados semelhantes em paralelo, sugerindo um período de discussão mais discreto entre Londres e Bruxelas.

Em sua declaração, Barnier, que costumava dar uma coletiva de imprensa no final de cada encontro, se limitou a lembrar as linhas vermelhas da UE, como garantir uma igualdade de condições no âmbito fiscal, ambiental, trabalhista e de ajudas públicas.

Os outros obstáculos no caminho para um acordo são conhecidos: a exigência da UE de um acesso de seus navios de pesca às ricas águas britânicas e a recusa de Londres de permitir que a justiça da UE participe do futuro acordo.

No caso de um fracasso na negociação, no final da transição em 31 de dezembro de 2020, ambas as partes aplicariam as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), que implicam maiores direitos de tarifas e controles.

tjc/mar/pc/aa

Notícias