PUBLICIDADE
Topo

Espero que Bolsonaro troque Weintraub antes de decisão do STF, diz Tabata

do UOL

Guilherme Mazieiro e Paulo Saldaña*

Do UOL e da Folha, em Brasília

27/02/2020 02h00Atualizada em 27/02/2020 11h09

Resumo da notícia

  • Deputada do PDT diz que ministro da Educação é "incompetente" e cobra do presidente sua substituição
  • Congressista integra grupo que pede impeachment de Weintraub por crime de responsabilidade ao Supremo
  • Em entrevista, parlamentar afirma que partidos políticos são barreira para renovação da democracia
  • Diz ainda que "resposta às vezes está na esquerda, às vezes está na direita"

Articuladora de um pedido de impeachment do ministro da Educação, a deputada Tabata Amaral (PDT-SP), cobra que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) troque Abraham Weintraub da pasta antes que o STF (Supremo Tribunal Federal) julgue o caso.

Em entrevista ao UOL e à Folha, a parlamentar afirmou que o titular do MEC é incompetente e que usa redes sociais para atacar adversários. Ela fez críticas ao ministro por sua ausência nas discussões sobre a carteirinha estudantil digital, o ID Estudantil — que caducou semana passada — e em razão da versão final da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do novo Fundeb (fundo público para manutenção da educação básica).

Em seu primeiro mandato, a deputada de 26 anos também criticou os ataques que sofre por ser mulher e jovem — "Sempre vão dizer que tem homem por trás" — e condenou o insulto de Bolsonaro à jornalista da Folha Patrícia Campos Mello.

Atacada dentro da própria legenda por não seguir a orientação de voto contra a reforma da Previdência, Tabata afirmou que "os partidos são uma barreira para renovação da democracia" e defendeu sua vinculação com movimentos políticos, como o Acredito.

Uma das responsáveis pela agenda de projetos sociais da Câmara, a congressista disse que, para buscar consenso e avançar em políticas públicas, "a resposta às vezes está na esquerda, às vezes está na direita".

Veja a seguir os principais trechos da entrevista, concedida no dia 18, no estúdio do UOL/Folha, em Brasília. A íntegra da conversa está disponível também em podcast e no Youtube.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) concede entrevista para o UOL e a Folha, em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress
A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) concede entrevista para o UOL e a Folha, em Brasília
Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

UOL/Folha - A senhora de fato acredita que o pedido de impeachment contra o ministro Weintraub possa ter resultado? Ou foi mais uma questão de causar constrangimento?

Tabata Amaral - O pedido de impeachment foi muito coerente no sentido de que ele só apontou crimes de responsabilidade. De fato o Weintraub já quebrou o princípio da impessoalidade, o princípio da eficiência.

Todos os dias ele comete quebra de decoro. Ele ofende parlamentares. Presidentes de outros países, os cidadãos, mães de cidadãos. Eu tenho a esperança de que o presidente seja mais rápido do que o STF. Que ele fale assim: 'posso ter uma visão ideológica x, agora não dá para não ter alfabetização; posso ter uma ideologia y, mas não posso perde um R$ 1 bilhão para a educação'.

[O pedido de impeachment] no final também foi um pedido ao presidente da República para que ele deixe de ser tão negligente com a pasta de Educação, que deveria ser mais importante, e que coloque outra pessoa. E não é uma questão ideológica, a gente está falando de crimes, de políticas públicas que não foram feitas.

O governo começou a dizer que eu sou a responsável por não ter aprovado a carteira digital.

O governo mandou uma medida provisória, que caducou.

Junto com a minha equipe, com o deputado Felipe Rigoni (PSB-ES), apresentamos oito emendas à medida provisória [sugestões para alterar o texto], ou seja, eu estava trabalhando. Se passaram cinco meses, o ministro nunca foi lá para apresentar um projeto para os deputados, a base do governo nunca se mobilizou para colocar aquilo na pauta. Parecia que não era prioridade. E agora a gente descobre que R$ 3 milhões de dinheiro público foram gastos para fazer campanha.

Se ele é incapaz de fazer acontecer e fica no Twitter gastando dinheiro público, não vai aprovar

Por que não foi aprovado? Porque ele [Weintraub] é incompetente, incapaz. Ele gosta de me atacar e diz que não foi aprovado porque 'a Tabata não quis'. Eu? Uma deputada entre 513. Se eu fosse oposição por oposição, eu teria feito oito emendas ao projeto dele? Teria gasto meu tempo, do meu time, de mobilizar? Eu tentei trabalhar. Eu acho que ele é péssimo, o pior ministro que a gente tem, mas o projeto poderia ser bom, se a gente melhorasse os pontos que estavam ruins.

Partidos políticos

A senhora teve um embate com o PDT, por conta da votação da reforma da Previdência, que papel vê para os partidos dentro do sistema político?

Quando falo que eu não gosto mais do termo nova política é porque eu sei que ele foi utilizado por muita gente que tem práticas mais antigas do que minha tataravó. Então eu acho que, de fato, esse termo contribui para essa negação da política.

Eu cresci odiando política, porque o cabo eleitoral ia lá pintava o número e era isso. Ninguém foi na minha escola dizer o que faz um vereador, o prefeito. A gente tem que valorizar a política, explicar o significa

Agora, isso não pode ser desculpa para a gente não criticar os partidos. [Mas], como cientista política, acho que os partidos são uma forma de organizar a democracia.

A senhora não é a favor do partido Tabata Amaral?

De jeito nenhum, se sair do PDT vou para outro. Mas a gente tem que criticar o que está acontecendo. Ninguém tem coragem de falar ou de perceber que os partidos são uma barreira para a renovação da democracia. Hoje, o dono do partido — dono mesmo, não é líder partidário — diz 100% como vai [ser dividido] o dinheiro [de financiamento] que é público? Como ficamos tranquilos quando uma [única] pessoa decida: 'Vou dar R$ 2 milhões para meu amigo, R$ 1 milhão para meu outro amigo?'

Sou a favor de partidos, quero estar em um, não sou a favor de candidaturas avulsas. Mas tem que mudar. Do jeito que está, com esse monopólio do dinheiro público, a sociedade não se vê representada

A crise que a gente está passando em grande parte tem a ver com o fato de os partidos estarem aqui e a sociedade está ali [sinaliza uma distância com as mãos]. A gente tem que faz a provocação para eles se aproximarem, porque isso vai ser bom para a sobrevivência dos partidos e para o aprofundamento da nossa democracia.

Qual é a ligação que a senhora tem com grupos empresariais, como o de Jorge Paulo Lemann?

Sempre que alguém quer desconstruir a minha trajetória é porque eu estou incomodando. E é muito engraçado de ver que isso vem da esquerda e da direita. E falam que a Tabata é financiada por fulano. E o mais engraçado é que a cada ano muda o fulano, então já foi o George Soros [investidor americano], pelo Jorge Paulo Lemann [empresário brasileiro], pelo Paulo Guedes [ministro da Economia] e nunca se consegue provar. É sempre uma acusação.

Cheguei a Harvard pelo mérito dos meus professores e dos meus estudos, minha bolsa foi 100% da faculdade. Eu não conhecia nenhuma das fundações. Cheguei lá porque professor de escola pública e privada me treinaram para Olimpíadas científicas. Não recebi uma bolsa da Fundação Lemann.

Por que na hora que eu critico o Weintraub, ou quando voto a favor da reforma da Previdência vem alguém e fala que eu sou financiada por um homem? Parte machismo, porque uma mulher jovem, como eu, sempre vão dizer que tem um homem por trás, não conseguem acreditar que é meu mérito, independência, e minhas ideias.

As pessoas fazem isso porque querem dizer que sou uma marionete. Eu não estou a mando de ninguém.

Em relação ao ataque do presidente Bolsonaro a uma repórter da Folha fazendo insinuações sexuais, a Câmara e a senhora imaginam um outro tipo de ação, ou o que foi feito está dentro do limite? Como tem sido o embate pessoal da senhora em relação ao machismo dentro do Congresso?

Não, não está dentro do limite. Primeiro que uma pessoa ir até uma CPMI fazer uma acusação falsa é crime, e a gente não está percebendo isso. O que ele fez ali com a repórter Patrícia [Campos Mello] é crime e ele deve ser punido por isso [em referência a Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp].

Quando o presidente da República fala, é diferente. Porque na hora que o líder fala, [quer dizer que] é ok ser machista, é ok mentir. E a gente é o quinto país que mais mata mulheres em crimes de ódio. Então, está se falando que, sim, é ok assediar, é o sexualizar a mulher.

É completamente absurdo o que o presidente fez, de fazer graça, de fazer piada com uma coisa tão séria. A gente sabe que a política é um lugar muito violento para as mulheres.

Posição política

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pediu ajuda para a senhora tocar a agenda social da Câmara. A senhora com os grupos de esquerda, e como isso trabalha junto com essa agenda social?

Eu não estou ali [na Câmara] para seguir uma cartilha de um partido, de uma corrente, porque não faz sentido para mim.

Não faz sentido porque eu entrei na política de uma forma diferente. Não fui formada em movimentos estudantis, e partidos políticos. Sou uma pessoa que teve a vida transformada pela educação.

Então, acredito muito que o conhecimento salva. Olhar os dados, os estudos e ouvir as pessoas é o melhor caminho. E quando você faz isso, a resposta às vezes está na esquerda, às vezes está na direita.

A minha postura na Câmara é muito independente. Quando chega uma proposta do governo, eu não falo 'estou na oposição, então sou contra'. Eu analiso aquela proposta. Serei uma aliada das pessoas quando eu achar que elas estão corretas.

Por exemplo, na questão da Previdência, os estudos que eu li faziam muito sentido, então eu apoiei mesmo não sendo [aliada] do governo. Mas, na hora que o presidente da República fez uma fala super machista, eu estava com as mulheres do PSOL, do PT, do PSDB, do PDT, me posicionando. A minha posição hoje é independente, no sentido de ver o que faz sentido e o que não faz.

Fundeb

No final do ano passado, Rodrigo Maia tinha grande interlocução com Rodrigo Dias, que comandava o FNDE e foi demitido por Weintraub. A partir dali, houve um tensionamento entre a Câmara e o Ministério da Educação. Agora Maia abraçou a ideia do Fundeb. Por que? É uma queda de braço com o ministro?

Essa ordem de fatores não é correta. Eu participei de reuniões com Maia sobre o Fundeb, pelo menos uma por mês, no segundo semestre do ano passado. A deputada [professora] Dorinha [DEM-TO] também fala com ele desde o ano passado.

Eu acho que é uma coisa que colocaram um meio fora de ordem para tentar acusá-lo de uma perseguição a Weintraub. A gente conseguiu chegar a um consenso agora.

Tem uma discussão na educação entre gestão e mais recursos. De certa forma, isso acaba mascarando um problema de recurso que o Brasil tem. Parece que, se tiver dois lados, o lado da gestão tem sempre ganhando. Parece que não precisa de mais dinheiro na educação.

Tem um grupo na política que acha que só falta dinheiro [para a Educação]. E tem um outro grupo, igualmente gritante, que fala: só falta gestão, com mais gestão resolve tudo. Faltam as duas coisas.

Mas a gente conseguiu construir um projeto na Câmara que olha para essas duas deficiências. A gente vai dobrar o dinheiro que a União coloca [passando para 20% a complementação do governo para o fundo]. A escolha que fizemos [de dividir os 10% extra] mostra as nossas prioridades: 7,5% vai [ser distribuído levando em conta toda a arrecadação do estado ou município] porque falta dinheiro mesmo e 2,5% vai [ser distribuído com base em resultados educacionais] porque falta gestão.

*Colaborou Felipe Amorim, do UOL, em Brasília

Notícias