PUBLICIDADE
Topo

Macron bate boca com policiais israelenses em Jerusalém

22/01/2020 14h24

O presidente francês, Emmanuel Macron, discutiu nesta quarta-feira (22) com agentes do serviço de segurança de Israel (Shabak) que faziam sua segurança durante uma visita à Cidade Velha de Jerusalém. Macron foi filmado dizendo em inglês aos policiais que eles não podiam entrar com ele na Igreja de Santa Ana, já que o local é de propriedade francesa desde o século 19.

O presidente francês, Emmanuel Macron, discutiu nesta quarta-feira (22) com agentes do serviço de segurança de Israel (Shabak) que faziam sua segurança durante uma visita à Cidade Velha de Jerusalém. Macron foi filmado dizendo em inglês aos policiais que eles não podiam entrar com ele na Igreja de Santa Ana, já que o local é de propriedade francesa desde o século 19.

Daniela Kresch, correspondente da RFI em Israel

"Todos sabem as regras. Não gostei do que vocês fizeram na minha frente. Podem sair, por favor!", disse Macron. "Todos sabem as regras, que ninguém faça provocações, ok? Vamos ficar calmos".

Macron elogiou a organização israelense, dizendo aos responsáveis que "fizeram um trabalho excelente" na visita à Cidade Velha. Mas depois voltou a pedir: "Por favor, respeitem as regras que existem há centenas de anos e não vão mudar comigo aqui".

Propriedade francesa

A Igreja de Santa Ana é de propriedade francesa desde que foi doada ao Imperador francês Napoleão III pelo Império Otomano, em 1856, em agradecimento pelo apoio francês aos turco-otomanos na Guerra da Crimeia.

O desentendimento foi muito parecido com o que aconteceu em 1996, quando o ex-presidente francês, Jacques Chirac, visitou Jerusalém. Chirac se recusou a entrar na igreja até que os agentes de segurança israelenses saíssem. Na visita pelas ruelas da Cidade Velha, o ex-presidente ficou furioso quando os policiais o envolveram, afirmando que foi pressionado a andar mais rápido. Chirac chamou o tratamento de "provocação" e ameaçou deixar o país.

Fórum Mundial do Holocausto

Emmanuel Macron está em Jerusalém para participar da 5° Fórum Mundial do Holocausto, que começa hoje e termina nesta quinta-feira (23) no Yad Vashem (Museu do Holocausto de Israel). Mais de 45 chefes de Estado e delegações internacionais são esperadas em Israel para o evento, o maior da História do país, que lembrará os 75 anos da liberação do campo de extermínio Auschwitz-Birkenau. Entre outros, participarão do evento o presidente russo Vladimir Putin, o vice-presidente americano Mike Pence e o Príncipe Charles.

Emmanuel Macron desembarcou em Israel para dois dias de visita na madrugada desta quarta-feira e, desde então, cumpre intenso cronograma. Ele tomou café da manhã com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, quando discutiu assuntos geopolíticos como Irã, Líbano e Síria. Depois, se encontrou com o presidente Reuven (Ruvi) Rivlin.

O presidente também se encontrou com Benny Gantz, do partido de centro-esquerda Azuel e Branco, o maior de oposição ao Likud, de Netanyahu. Está programado também um encontro com o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas.

 

Notícias