PUBLICIDADE
Topo

Partidos de Israel concordam com eleição em 2 de março se governo não for formado

09/12/2019 13h14

Por Jeffrey Heller

JERUSALÉM (Reuters) - Os dois maiores partidos de Israel concordaram nesta segunda-feira com uma eleição no dia 2 de março, a menos que surja um acordo de partilha de poder de última hora, e o primeiro-ministro,  Benjamin Netanyahu, luta pela sobrevivência política em meio a um indiciamento criminal.

Um período de 21 dias durante o qual o Legislativo pode indicar um parlamentar com apoio majoritário para tentar montar uma coalizão governante termina à meia-noite local de quarta-feira, o que desencadeará a dissolução do Parlamento e uma eleição dentro de 90 dias.

Seria a terceira eleição nacional em menos de um ano. Pesquisas de opinião recentes não previram nenhuma mudança dramática no eleitorado em relação às votações inconclusivas de abril e setembro.

Nem o partido de direita Likud, de Netanyahu, nem o partido Azul e Branco, de seu maior rival, o ex-chefe militar Benny Gantz, obteve assentos suficientes no Parlamento para conseguir uma maioria governante nas duas disputas anteriores.

Os dois foram encarregados de formar uma coalizão e fracassaram, tocando a bola para o campo parlamentar. Seus partidos empacaram nas conversas sobre um governo "de união" no qual Netanyahu e Gantz se revezariam como premiê.

As duas siglas, que discordam sobre qual deles tomaria posse primeiro e por quanto tempo, anunciaram ter combinado o dia 2 de março como data para a eleição. Esta precisa da aprovação do Parlamento, mas os dois partidos o dominam, por isso sua sanção é certa.

O caos político e uma investigação de corrupção de longa data ameaçam a permanência de Netanyahu, no poder há uma década. Ele é acusado de suborno, violação da confiança e fraude.

Notícias