Topo

Partidos opositores exigem Assembleia Constituinte no Chile

12/11/2019 19h46

Santiago, 12 Nov 2019 (AFP) - Os partidos opositores exigiram nesta terça-feira a realização de uma Assembleia Constituinte no Chile, cuja atual Constituição é uma herança da ditadura de Augusto Pinochet, em contraposição ao "Congresso Constituinte" proposto pelo governo.

Em declaração conjunta, 14 grupos de oposição - entre eles o Partido Socialista, o Comunista, a Democracia Cristã e o Partido Radical - defendem a "Assembleia Constituinte como o mecanismo mais democrático para garantir uma ampla participação cidadã e a plana legitimidade do processo".

A proposta da oposição contrasta com o anúncio realizado no domingo pelo governo de Sebastián Piñera que aceitou um processo para mudar a carta fundamental através de um "Congresso Constituinte".

"A proposta de um Congresso Constituinte por parte do governo se distancia da demanda popular por participação e deliberação", destaca a declaração dos partidos de oposição.

O partido governista Renovação Nacional pediu a todas as tendências políticas que "flexibilizem posições visando um acordo" e escutem "as centenas de milhares de pessoas que protestam pacificamente" desde o início da agitação social, em 18 de outubro.

Já a ultraconservadora União Democrata Independente (UDI) informou que "não está disponível para negociar enquanto não cesse a violência", que já deixou 20 mortos.

Nesta terça-feira, a porta-voz do governo Karla Rubilar declarou que "o presidente está trabalhando ativamente para poder abrir um caminho claro para uma nova Constituição", sem dar maiores detalhes sobre a proposta do Executivo.

A substituição da atual Constituição - criada na ditadura e aprovada em 1980 em um questionado plebiscito - é vista como uma espécie de novo ponto fundacional sobre o qual se estabelecerá uma nova ordem social no Chile.

Para muitos analistas, a atual Constituição promoveu a desconexão entre a classe política e a população, base da atual crise.

pa/msa/lr

Notícias