Topo

Sindicato dos Metalúrgicos prepara festa para receber Lula em São Bernardo

8.no.2019 - O ex-presidente Lula após deixar a superintendência da Polícia Federal em Curitiba - Rodolfo Buhrer/Reuters
8.no.2019 - O ex-presidente Lula após deixar a superintendência da Polícia Federal em Curitiba Imagem: Rodolfo Buhrer/Reuters
do UOL

Marcelo Oliveira

Do UOL, em São Bernardo do Campo

09/11/2019 04h00Atualizada em 11/11/2019 14h00

Resumo da notícia

  • Ex-presidente foi solto na ontem após ficar 580 dias na carceragem da PF
  • Petista é esperado nesta manhã em São Bernardo do Campo
  • Berço político de Lula, cidade abriga a sede do Sindicato dos Metalúrgicos
  • No local, cerca de 300 voluntários preparam homenagem para Lula

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) iniciou sua carreira política, vai receber hoje o político, que deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba nesta sexta, em clima de festa, com música e um caminhão de som.

O presidente do sindicato, Wagner Santana, o Wagnão, divulgou um vídeo convocando a categoria para receber o petista a partir das 10h deste sábado na sede da entidade, em São Bernardo do Campo (Grande SP), cidade em que o ex-presidente vivia antes de ser preso.

O sindicato, que normalmente fecha às 18h, ainda estava bem movimentado às 20h de ontem, quando a reportagem chegou ao local. A equipe envolvida com a organização decidiu jantar no local e recebeu algumas pizzas para a refeição.

A informação, não oficial, no sindicato é a de que Lula sairá de Curitiba às 10h e que viria direto para a sede, localizada no centro de São Bernardo do Campo.

Ontem, em seu primeiro pronunciamento em liberdade, Lula agradeceu a militância que permaneceu em Curitiba durante os quase 19 meses em que ele esteve detido. O ex-presidente também atacou o ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, a Polícia Federal e o Ministério Público Federal.

Em 1º discurso livre, Lula agradece militantes e ataca PF e MPF

UOL Notícias

300 voluntários

Segundo Mauro Brito, um dos organizadores dos voluntários que estão cuidando da segurança e infraestrutura da festa para Lula, 300 pessoas estão mobilizadas para a recepção ao ex-presidente.

Entre eles, vários deveriam passar a noite no sindicato recebendo caravanas do interior de São Paulo e de outros estados. A expectativa é que, além de metalúrgicos, participem como voluntários outras categorias profissionais, como servidores públicos de São Bernardo e Santo André, químicos e costureiras.

Sindicato dos Metalúrgicos se prepara para receber ex-presidente Lula neste sábado - Marcelo Oliveira/ UOL
Sindicato dos Metalúrgicos se prepara para receber ex-presidente Lula neste sábado
Imagem: Marcelo Oliveira/ UOL

Serão utilizados para o evento o saguão, a entrada principal do local, onde ficará o carro de som, além do terceiro e quarto andares. O segundo andar será reservado aos políticos e à diretoria do sindicato.

"O clima é completamente diferente da outra vez [quando o presidente deixou o local para se entregar à polícia]. O êxtase está dominando as pessoas, inclusive precisa conter um pouco essa animação para que tudo possa correr bem", afirmou Brito.

Parte desses voluntários estará envolvida com a segurança do evento, mas não foi informado quantos deles estarão mobilizados para isso.

'Vermelho' vira hit no Bar da Rosa

No Bar da Rosa, a um quarteirão do sindicato, local onde foi fundado o PT, o clima era de festa, com militantes comemorando dançando e cantando o hit "Vermelho", do Boi Garantido, do festival folclórico de Parintins (AM).

Segundo dona Rosa, o bar não tinha hora para fechar e ficaria aberto até o último cliente. Em torno do sindicato carros passavam tocando jingles de diferentes campanhas do PT.

Apoiadores do ex-presidente Lula dançam ao som de "Vermelho" (Boi Garantido) em bar a uma quadra do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo - Marcelo Oliveira/UOL
Apoiadores do ex-presidente Lula dançam ao som de "Vermelho" (Boi Garantido) em bar a uma quadra do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo
Imagem: Marcelo Oliveira/UOL

"Vivo para o PT"

A aposentada Malvina Joana de Lima, 67, passou a noite no sindicato a espera de Lula. "Eu vivo para o PT", disse ela, que foi assessora parlamentar de Marta Suplicy no Senado.

Ela conta que passou um ano no acampamento em Curitiba e voltou em agosto para São Paulo. "Cismei que esperaria o Lula aqui."

Malvina Joana de Lima, 67, passará a noite no Sindicato a espera de Lula - Marcelo Oliveira/ UOL
Malvina Joana de Lima, 67, passará a noite no Sindicato a espera de Lula
Imagem: Marcelo Oliveira/ UOL

Ela diz ter feito três festas de aniversário para o ex-presidente: uma na avenida Paulista no dia 6 de outubro (dia em que ele nasceu), uma em Curitiba no dia 27 (dia em que ele foi registrado) e outra no dia 29, no Instituto Lula.

Carioca, Malvina foi abandonada quando criança. "Nasci no Hospital da Barra e minha mãe me deixou com 20 dias de vida na roda dos enjeitados, em Botafogo. Ela morreu, mas já localizei parentes dela. Só vou conhecê-los depois que acabar essa fase. Primeiro o Lula", disse.

Notícias