Topo

Trudeau considera 'totalmente inaceitável' ter pintado o rosto de preto

19/09/2019 18h45

Montreal, 19 Set 2019 (AFP) - O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declarou nesta quinta-feira (19) que foi "totalmente inaceitável" ter usado maquiagem para pintar seu rosto de preto em várias ocasiões, desculpando-se pela segunda vez com os ofendidos.

"A realidade é que machuquei as pessoas que deveria defender e ajudar, e lamento profundamente", disse após a publicação de várias fotos e vídeos em que aparece usando maquiagem marrom escura ou preta durante festas particulares.

"Reconheço que isso é algo totalmente inaceitável", acrescentou Trudeau em uma entrevista coletiva em Winnipeg, Manitoba.

Muitas pessoas, afirmou, são discriminadas por causa de "sua cor de pele ou história ou origem ou língua ou religião ... e eu não vivi isso por causa dos privilégios que tive. E é por isso que sinto muito, e peço desculpas".

Na quinta-feira, novas imagens do primeiro-ministro com o rosto pintado de preto apareceram na televisão local, um dia após a publicação de uma foto semelhante que o forçou a reconhecer no meio da campanha eleitoral que ele havia cometido uma ação "racista" anos atrás.

As imagens, divulgadas pela emissora Global News, mostram Trudeau "no início dos anos 90", o que foi confirmado por seu comitê de campanha. No vídeo, o primeiro-ministro aparece com jeans rasgados e uma camiseta, braços erguidos e maquiagem escura no rosto.

Na quarta à noite, Trudeau pediu desculpas publicamente, após a revista Time publicar uma fotografia dele com maquiagem marrom no rosto, em uma festa há 18 anos. Ele também admitiu ter usado uma pintura escura em um concurso de talentos no Ensino Médio, anos antes.

"Trabalhei toda minha vida para tentar criar oportunidades para as pessoas, lutar contra o racismo e a intolerância", disse o premiê em seu avião de campanha.

"Posso dizer que cometi um erro quando era mais jovem e desejaria não tê-lo cometido. Desejaria ter sabido disso melhor à época, mas não sabia e sinto profundamente", lamentou.

"Agora sei que é algo racista de fazer", completou, reconhecendo que seu entusiasmo pelas fantasias, que o levou a se vestir também como Clark Kent/Superman e um piloto rebelde de "Star Wars" para o Halloween, nem sempre foi "apropriado".

Trudeau, de 47 anos, e cujo partido venceu com folga as eleições de 2015, já foi alvo de ataques por temas éticos e outras controvérsias similares.

As polêmicas imagens são novos golpes para Trudeau, uma semana depois do início da campanha eleitoral federal, marcada pela disputa do partido do primeiro-ministro com os conservadores, liderados por Andrew Scheer.

- Problemático - Vários políticos americanos estiveram envolvidos em diferentes escândalos nos últimos anos, quando foram descobertas imagens de "blackface" ("rosto negro"), termo que data de aproximadamente 1839 nos chamados shows de menestréis ou jograis ("Minstrel Shows"), que eram bastante populares naquela época.

Artistas brancos pintavam seus rostos com carvão ou graxa para sapatos e desenhavam lábios exagerados fazendo uma caricatura dos negros.

Os estereótipos retratados - de que os negros eram de alguma forma inferiores, ignorantes, preguiçosos e até animais - cimentaram atitudes racistas por décadas. Algumas dessas imagens ainda existem hoje.

Trudeau é um ardente defensor do pluralismo cultural e pelo menos seis membros de sue gabinete são de origem asiática ou africana.

Mas o escândalo certamente manchará sua imagem de garoto de ouro, que já foi afetada após uma gafe numa viagem à Índia no início do ano e um escândalo de corrupção.

Um funcionário independente do Parlamento acusou em agosto o primeiro-ministro e seus assessores de pressionar de maneira indevida a ex-ministra de Justiça, Jody Wilson-Raybould, para que intercedesse a favor do grupo de engenharia de Quebec, SNC-Lavalin, a fim de impedir um processo judicial por corrupção contra esta empresa.

Trudeau é filho do ex-primeiro ministro Pierre Trudeau, considerado o pai do Canadá moderno.

amc/jm/mos/tm/mps/yow/tt/lca/cc

Mais Notícias