Topo

Brasil revoga status de refugiado da três paraguaios acusados de sequestro

23/07/2019 11h52

São Paulo, 23 Jul 2019 (AFP) - O Brasil revogou o status de refugiado de três paraguaios reclamados por Assunção por suspeita de terem participado do sequestro da esposa de um empresário em 2001, informou o presidente Jair Bolsonaro em seu Twitter nesta terça-feira.

"O Ministro Moro retirou o status de refugiado, concedido pelo governo Lula (2003), para três terroristas do Exercito do Povo Paraguaio (EPP). Voltarão para seu país e pagarão pelo seus crimes, a exemplo de Cesare Battisti, preso na Itália", tuitou o presidente paraguaio Marito Abdo, referindo-se ao ministro da Justiça Sergio Moro.

Juan Arrom, Anúncio Martí e Víctor Colman perderam o status após a decisão de Moro, informou o promotor paraguaio para assuntos internacionais Manuel Doldán Breuer também no Twitter.

Os homens em questão fugiram para o Brasil em 2003 e se declararam políticos perseguidos.

A justiça paraguaia exige sua volta por suspeita de terem participado, em 2001, do sequestro de Maria Edith de Debenardi, esposa do empresário Antonio Debenardi e nora do primeiro presidente da Itaipu Binacional, Enzo Debenardi.

Arrom e Martí eram líderes do movimento político de esquerda Pátria Livre, cujas fileiras teriam resultado em um braço armado chamado Exército do Povo Paraguaio (EPP), segundo autoridades paraguaias.

"O Brasil não será mais refúgio para estrangeiros acusados ou condenados por crimes comuns (no caso, extorsão mediante sequestro), seja de Battisti, Arrom, Martí ou de outros. A nova postura é de cooperação internacional e respeito a tratados. Aqui não é terra sem lei", comentou Moro ao retuitar o presidente Marito Abdo, que falou sobre o caso mais cedo.

O italiano Césare Battisti, a quem tanto Bolsonaro quanto Moro se referiram, foi condenado à prisão perpétua por quatro assassinatos na Itália nos anos 70, e residia no Brasil desde 2004, onde obteve o status de refugiado.

Em janeiro deste ano, ele fugiu para Bolívia depois de Brasília ter emitido um mês antes um pedido de captura contra ele.

Lá ele foi capturado e enviado às autoridades italianas.

pr/js/cn

Mais Notícias