PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
11 meses

Raúl Castro participa de reunião de partido para discutir protestos em Cuba

Os protestos, amplamente divulgados nas redes sociais, começaram de forma espontânea, um fato incomum no país - YAMIL LAGE / AFP
Os protestos, amplamente divulgados nas redes sociais, começaram de forma espontânea, um fato incomum no país Imagem: YAMIL LAGE / AFP

Em Havana

13/07/2021 03h39

O ex-presidente de Cuba Raúl Castro participou de uma reunião da liderança do Partido Comunista (único partido legal na ilha) na qual foram abordados os protestos em massa deste domingo contra o governo, informou a mídia estatal nesta segunda-feira.

"A reunião do Escritório Político do Partido Comunista analisou as provocações orquestradas por elementos contrarrevolucionários, organizadas e financiadas pelos Estados Unidos para fins de desestabilização", afirma um comunicado divulgado pela Agência Cubana de Notícias.

O encontro foi liderado pelo presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, primeiro secretário do partido. Por enquanto, não foi divulgado qualquer vídeo ou fotografia mostrando o mais jovem dos irmãos Castro, que completou 90 anos em junho e em suas últimas aparições públicas pareceu estar bem de saúde.

"Os membros do mais alto órgão do partido também abordaram a resposta exemplar do povo ao chamado do camarada Díaz-Canel para defender a Revolução nas ruas, o que lhes permitiu derrotar as ações subversivas", acrescenta a breve nota oficial.

Milhares de cubanos saíram às ruas ontem para protestar contra o governo gritando "Liberdade!", em um dia sem precedentes. Contudo, o domingo terminou com dezenas de prisões e confrontos depois que Díaz-Canel convocou seus apoiadores a sair e confrontar os manifestantes.

Os protestos, os mais fortes que ocorreram em Cuba desde o chamado 'Maleconazo' de agosto de 1994, ocorreram com o país mergulhado em uma grave crise econômica e sanitária, com a pandemia fora de controle e uma grave escassez de alimentos, remédios e outros produtos básicos, além de longas quedas de energia.

Nesta segunda-feira, o presidente, a quem Raúl Castro passou a liderança do PCC em abril, apareceu com membros de seu gabinete por várias horas na televisão estatal para falar sobre os principais problemas da ilha.

No discurso, Díaz-Canel voltou a acusar os Estados Unidos por estarem por trás das manifestações e a culpar o embargo americano pelas maiores dificuldades econômicas atravessadas por Cuba.

Notícias