PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Covas pediu a médicos para "seguir seu destino naturalmente", diz Doria

do UOL

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo

16/05/2021 15h23

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), revelou hoje que, em seu último encontro com Bruno Covas (PSDB), o prefeito pediu aos médicos para não usar máquinas em seu tratamento e "seguir seu destino naturalmente".

"Ele disse, em especial ao médico David Uip, que foi médico do seu avô: quero seguir o meu destino, não quero máquinas, não quero superficialidade, não quero nada além da minha existência e do período que eu tenho que cumprir", disse Doria ao sair do velório de Covas, na prefeitura.

"Estive com ele na segunda-feira, no hospital, conversa de uma hora e vinte. Bruno estava consciente, sensível, sorriu várias vezes e ele já tinha compreensão de que a doença era irreversível. Ele foi de uma grandeza extraordinária", acrescentou.

Velório e cortejo fúnebre

O corpo do prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi velado no começo da tarde de hoje (16) diante de poucos familiares e amigos devido à necessidade de se evitar aglomerações por causa da pandemia de covid-19. Bruno Covas morreu neste domingo depois de enfrentar um câncer desde 2019.

O caixão deixou a sede da Prefeitura de São Paulo, no centro da cidade, por volta das 14h30, de onde seguirá para um cortejo pela capital paulista e, depois, para Santos, cidade natal do prefeito.

Compareceram à cerimônia o filho de 15 anos, Tomás Covas; os pais do político, Pedro Lopes e Renata Covas Lopes; o irmão, Gustavo; e a ex-mulher do prefeito, Karen Ichiba. O governador paulista João Doria (PSDB) e a mulher, Bia, também acompanharam.

Flores em frente à prefeitura

Do lado de fora, pouco antes de meio-dia, quando uma criança deixou um vaso de flores em frente à Prefeitura de São Paulo. "Bruno, descanse em paz", dizia o bilhete, com bonecos desenhados em traços infantis.

Lúcia de Fátima de Sousa se posicionou bem em frente ao prédio, com os olhos marejados e de braços dados com os dois filhos. Ela contou ao UOL que estava na casa de uma amiga quando soube da notícia, e decidiu se despedir do prefeito. "Eu gostava muito dele. Eu acompanhei toda a trajetória dele, o sofrimento. E ele sempre com muita fé, né? Hoje de manhã, quando eu soube da notícia, eu tinha saído. Eu pedia muito a Deus por ele", afirmou.

A militância do PSDB conversou com a reportagem do UOL enquanto organizava uma série de bandeiras para entregar ao público. O movimento prevê pelo menos 40 carros durante a cerimônia de despedida, mas não há previsão de quantas pessoas devem participar.

"Todos que participaram com ele na sua vida política devem comparecer para uma despedida. O Bruno era nossa liderança, aquilo que representava toda essa juventude do PSDB. Nós acreditávamos que o Bruno ainda tinha muito a fazer pela cidade de São Paulo e pelo Brasil. Ele era a liderança que chegaria à presidência da República", afirmou Dario José Barreto, subprefeito de Santana de Tucuruvi (SP), de 42 anos.

"Hoje estou sendo órfã duas vezes de Covas. Está sendo um baque muito grande. Perdi os dois Covas que eu mais acreditei na vida", afirmou a presidente do diretório da Lapa, Renata Benetton. Ela levava uma fitinha no braço, com o slogan da campanha de Covas em 2020: "força, foco e fé".

Morre Bruno Covas, prefeito de São Paulo; veja imagens da carreira política

Notícias