PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Presidente de Israel encarrega opositor a formar governo após fracasso de Netanyahu

Yair Lapid, líder do Partido Yash Atid ("Há um futuro"), quer formar um governo de união nacional para tirar o primeiro-ministro Netanyahu do poder - Ammar Awad/Reuters
Yair Lapid, líder do Partido Yash Atid ("Há um futuro"), quer formar um governo de união nacional para tirar o primeiro-ministro Netanyahu do poder Imagem: Ammar Awad/Reuters

05/05/2021 13h28Atualizada em 05/05/2021 14h27

O presidente israelense, Reuven Rivlin, encarregou nesta quarta-feira (5) à noite o chefe da oposição, Yair Lapid, de formar um governo, após o fracasso do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

"Falei com Yair Lapid e disse a ele que estou dando a ele o mandato para formar um governo", anunciou Rivlin durante um discurso oficial na sede da Presidência em Jerusalém.

O prazo concedido a Netanyahu após as eleições de 23 de março terminou à meia-noite e ele não conseguiu a maioria de 61 deputados dos 120 do Parlamento israelense (Kneset), o que permitiria estabelecer uma coalizão de governo.

Se estivesse próximo de um acordo, Netanyahu poderia ter solicitado uma prorrogação de duas semanas. Mas ele não apresentou o pedido, afirmaram tanto a presidência como seu partido, o Likud (direita).

Após esse fracasso, que ainda não significa a saída do primeiro-ministro mais longevo da história de Israel, Rivlin teve três dias para decidir o próximo passo para tirar o país de dois anos de crise política.

O presidente já pediu aos partidos que apresentem os nomes dos candidatos e os mais citados são Yair Lapidey Naftali Bennett.

Lapid, cujo partido Yesh Atid ("Há um futuro") ficou em segundo lugar com 17 deputados nas eleições legislativas, busca formar um "governo de união nacional" para afastar do poder Netanyahu, julgado por "corrupção" e "fraude" em uma série de casos.

"Chegou o momento para um novo governo. É uma oportunidade histórica para romper as barreiras que dividem a sociedade israelense, para unir os religiosos e os laicos, a esquerda, a direita e o centro", afirmou o centrista Lapid esta semana.

- "Mais possibilidades" -Reuven Rivlin recebeu Lapid esta manhã, assim como o líder da formação de extrema direita Yamina, Naftali Bennett. Ambos pediram-lhe mandato para formar o próximo governo.

Paralelamente, o chefe de Estado israelense pediu aos partidos que lhe apresentassem possíveis candidatos ao cargo.

"Ficou claro pelas recomendações recebidas que Lapid tem uma chance melhor de formar um governo", declarou o presidente israelense.

Naftali Bennett, que conseguiu 7 deputados, está entre o "bloco de direita", que Netanyahu tentou unir sem sucesso, e o "bloco da mudança" que o Lapid tenta consolidar.

No Parlamento, 65 dos 120 deputados são integrantes de partidos abertamente de direita. Mas duas formações, Yamina e "Nova Esperança", presidido por Gideon Saar, se negaram a aceitar uma união com Netanyahu.

Lapid e Bennett também poderiam tentar formar um governo juntos. Uma pesquisa do canal israelense 13 divulgada nesta quarta-feira mostra que 43% dos israelenses desejam um governo Lapid-Bennett.

Mas em um cenário político muito fragmentado, os campos de Lapid e Bennett precisariam unir-se não apenas com a esquerda, o centro e a direita decepcionada de Netanyahu, mas também com pelo menos um partido árabe.

Pela primeira vez em sua carreira política, Naftali Bennett se reuniu sozinho com Mansur Abbas, líder de um pequeno partido árabe e islamita que pode ser a peça que falta para alcançar o número mágico de 61 deputados.

Se a oposição conseguir formar um governo de unidade, este seria o ponto final de um capítulo importante na história de Israel, com a saída de Netanyahu, no poder durante os últimos 12 anos.

Caso isto não aconteça, os israelenses podem ser obrigados a votar pela quinta vez em dois anos. Uma pesquisa do Instituto Democrático de Israel aponta que 70% dos israelenses esperam novas eleições.

Notícias