PUBLICIDADE
Topo

Notícias

ONG denuncia que 26.025 crianças foram mortas ou mutiladas em conflito afegão

23/11/2020 17h50

Cabul, 23 nov (EFE).- Ao menos 26.025 crianças foram assassinadas ou mutiladas no conflito no Afeganistão em um período de 14 anos, desde 2005, de acordo com um relatório revelado nesta segunda-feira pela organização Save the Children.

"Entre 2005 e 2019, ao menos 26.025 crianças foram assassinadas ou mutiladas no Afeganistão, uma média de cinco a cada dia nos últimos 14 anos", informou a ONG.

Os números revelam as terríveis consequências de décadas de conflito armado para as crianças afegãs, disse a organização sem fins lucrativos, que considerou os dados "impactantes".

"Imagine viver com o medo constante de que hoje seu filho pode morrer em um ataque suicida ou em um ataque aéreo. Esta é a triste realidade para dezenas de milhares de pais afegãos cujos filhos foram mortos ou feridos", disse Chris Nyamandi, diretor da Save the Children no Afeganistão, no relatório.

A pandemia de Covid-19 também contribuiu para exacerbar as necessidades humanitárias no Afeganistão, onde estima-se que 7 milhões de crianças estejam "necessitando de assistência urgente", incluindo 3 milhões de crianças menores de cinco anos que estão sofrendo de desnutrição.

Na conferência de doadores realizada nesta semana em Genebra, a Save the Children se juntou aos apelos para aumentar o financiamento humanitário para o Afeganistão, enquanto o programa da ONU arrecadou apenas 42% dos recursos de ajuda destinados ao Afeganistão.

"A conferência desta semana é um momento crucial para os governos doadores reafirmarem seu apoio ao Afeganistão e a suas milhões de crianças, em um momento em que se necessita mais do que nunca", disse Nyamandi.

Na abertura da Conferência do Afeganistão de 2020, a Save the Children insistiu para que a comunidade internacional aumente o financiamento para a educação, especialmente para a educação de meninas.

No Afeganistão, 3,7 milhões de crianças, quase 60% delas meninas, não estão na escola. Só entre 2017 e 2019, houve mais de 300 ataques a escolas, ferindo ou matando pelo menos 410 alunos e professores, relatou a organização.

O governo afegão tenta estabelecer um diálogo para um acordo de paz com o Talibã que proporcione uma solução política para a guerra de 19 anos.

Embora tanto o governo de Cabul quanto os insurgentes tenham negociado em Doha há mais de dois meses, os negociadores reconheceram que não fizeram nenhum progresso até agora.

Notícias