PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Guedes, sobre 2ª onda de covid: não seremos dirigidos por fabricações

Idiana Tomazelli e Lorenna Rodrigues

Brasília

23/11/2020 18h29

Em meio a notícias de aumento no número de contaminações e internações hospitalares por covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira, 23, que o governo não será "dirigido" pelo que ele chamou de "fabricações". Para o ministro, não há hoje qualquer evidência de segunda onda no Brasil que demande acionar o "gatilho" de ações emergenciais, e falar em medidas de isolamento agora seria "precipitação".

"Não seremos dirigidos por fabricações", disse Guedes em evento promovido pela Empiricus. "Não podemos fabricar falsificações de realidade", acrescentou, pedindo respeito à "narrativa científica".

Segundo o ministro, a "evidência empírica é que a doença diminuiu" no País. "Dizer hoje que Brasil precisa trancar tudo e estender auxílio é precipitação. Não há hoje evidência (de 2ª onda) para puxar esse gatilho", afirmou.

A plataforma InfoGripe, da Fiocruz, tem apontado, porém, o aumento de casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no Brasil. Em relatório com dados até 14 de novembro foram apontadas 10 capitais com sinal moderado ou forte de aumento de casos. Na semana passada, o Ministério da Saúde culpou a dificuldade de acesso a dados, após um ataque hacker, para afirmar que ainda não consegue confirmar se há de fato recrudescimento da doença no País.

O vice-diretor do Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict/Fiocruz), Christovam Barcellos, disse ao Estadão na semana passada que algumas regiões do Brasil repetem o quadro do começo da pandemia: aumento de internações em hospitais privados, nas capitais. A situação tende a chegar à rede pública e interior, se nada for feito. Para Barcellos, a curva de óbitos em alguns locais pode subir nas próximas semanas.

O ministro da Economia, por sua vez, defendeu que a população "abandone falsas narrativas". "Dizer hoje que segunda onda chegou é falsa narrativa, assim como dizer que governo está parado é falsa narrativa", afirmou.

Embora não veja indícios de que o Brasil está no início de uma segunda onda de contaminação por covid-19, Guedes encerrou sua participação desejando "saúde para todo mundo". "Se cuidem", recomendou.

Notícias