PUBLICIDADE
Topo

Notícias

A evangélicos, Bolsonaro diz que "Brasil foi o que melhor se saiu" em crise

ADRIANO MACHADO
Imagem: ADRIANO MACHADO
do UOL

Do UOL, em Brasília

19/09/2020 12h04

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado (19) que Brasil é o país que teve o melhor desempenho no combate aos efeitos econômicos provocados pela pandemia do novo coronavírus. Ao discursar para uma plateia de evangélicos, em evento da igreja Assembleia de Deus em Brasília, Bolsonaro declarou que foi obrigado a tomar decisões importantes, mesmo "sendo tolhido pelo Poder Judiciário".

"Passamos uma grande provação. Ou melhor, estamos no final dela. Na parte econômica, o Brasil foi o que melhor se saiu. Quis o destino também que na área de saúde, aos poucos, ao se deixar de politizar a única alternativa que nós tínhamos, começou a se salvar mais vidas", disse Bolsonaro.

O presidente também afirmou que foi obrigado a tomar decisões que contrariavam os interesses de pessoas poderosas, mas disse que sempre esteve interessado no melhor para os brasileiros. Segundo ele, o país voltará à normalidade ainda em 2020.

"Eu tive que tomar decisões, mesmo sendo tolhido pelo Poder Judiciário. Se, naquele momento, a chacota se fez presente, hoje vemos que estamos no caminho certo. Se Deus quiser, voltaremos à normalidade ainda no corrente ano. O meu trabalho, como chefe de Estado, é produzir o bem-estar e a felicidade para os seus", declarou.

Bolsonaro também fez um aceno aos eleitores conservadores e afirmou que o Brasil foi tomado por pessoas que querem destruir o ideal de família.

"Aqui, nesse recinto, se prega diuturnamente a importância da família para todos nós. A família quase deixou de existir há poucos anos. O Brasil foi tomado pelo politicamente correto, onde tudo se podia desde que não se criticasse aqueles que queriam destruir a família", afirmou.

Mais de 135 mil mortes

O Brasil contabiliza mais de 135 mil mortes pelo novo coronavírus, segundo o consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. Com 39.991 novos diagnósticos registrados entre quinta (17) e sexta-feira (18) pelas secretarias de saúde dos estados, o Brasil chegou a 4.497.434 pessoas infectadas pelo vírus.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o Brasil é o segundo país com maior registro de mortes por causa da covid-19 no mundo, atrás apenas do Estados Unidos (que soma mais de 196 mil óbitos). Embora haja defasagem de até dois dias nos números da OMS, eles são usados como parâmetro durante a pandemia.

Notícias