PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Fracassam diálogos sobre data das eleições na Bolívia

09/08/2020 21h54

La Paz, 10 Ago 2020 (AFP) - Os diálogos paralelos que decidiriam a data das próximas eleições na Bolívia fracassaram, motivo pelo qual os protestos e bloqueios de avenidas continua no país andino, que vive uma crise política em meio à pandemia do novo coronavírus.

Por iniciativa da Assembleia Legislativa, as primeiras conversas decorreram no sábado até quase a meia-noite, e contaram com a mediação das Nações Unidas, no objetivo de acabar com as manifestações que surgiram após o terceiro adiamento das eleições.

No diálogo convocado neste domingo pela presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, só estiveram presentes os partidos políticos menores, que juntos alcançaram votação inferior a 3% do eleitorado nas eleições anuladas.

Inicialmente, o processo eleitoral estava marcado para 3 de maio, mas a pandemia adiou as eleições para a primeira semana de agosto, depois para 6 de setembro com o consentimento do Congresso. Por fim, o Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) adiou novamente para 18 Outubro, mesmo que sem votação no parlamento.

Essas eleições surgem para substituir as eleições de outubro de 2019, anuladas por justificativa de "manipulação maliciosa", segundo uma auditoria da OEA, o que gerou grandes protestos e a eventual renúncia do então presidente, Evo Morales (2006-2019), que concorria à reeleição pela quarta vez.

- Protestos continuam -"A proposta foi clara: eleições em 6 de setembro. No extremo, (queríamos) chegar a um acordo sobre uma nova data (que não 18 de outubro), um meio-termo, mas eles não aceitam", explicou Juan Carlos Huarachi, secretário-executivo da Central de Obras da Bolivia (COB).

Da mesma forma, ratificou a continuação dos protestos iniciados há uma semana com bloqueios das estradas em seis departamentos do país, apesar dos consequentes prejuízos econômicos e riscos à saúde, ao impedir a passagem de caminhões com suprimento de oxigênio para atendimento essencial de pacientes com o novo coronavírus, que até o momento já tem 90.000 casos e deixa mais de 3.500 mortos na Bolívia.

Vídeos publicados neste domingo mostram confrontos em Cochabamba entre manifestantes que bloqueavam vias e grupos rivais que de deslocavam em motocicletas. A polícia interveio e dispersou os dois grupos com bombas de gás lacrimogêneo.

Grupos de apoiadores de Evo Morales em Cochabamba somaram às exigências o pedido de renúncia da presidente Áñez.

O Movimento pelo Socialismo (MAS), de Morales, e grupos relacionados consideram que o último adiamento das eleições tem como objetivo único prejudicar seu candidato, Luis Arce, que lidera as pesquisas eleitorais.

Por sua vez, o presidente do TSE, Salvador Romero, aprovou a data de 18 de outubro como "definitiva, imóvel e inadiável do processo eleitoral de 2020".

Os presidenciáveis Carlos Mesa, Jorge Quiroga e Luis Fernando Camacho declinaram participar da reunião convocada por Áñez, que recebeu duras críticas de partidos menores, que pediram para que a mandatária desista da candidatura para dedicar-se unicamente ao exercício da presidência interina.

Luis Arce condicionou a aceitação de 18 de outubro como nova data das eleições à aprovação de uma lei, ao compromisso de que esta não seja novamente modificada e a que o acordo tenha aval internacional.

gbh/yow/bn/am

Notícias