PUBLICIDADE
Topo

IML de Belém desativa 2 contêineres frigoríficos após redução de mortes

Fachada do CPCRC (Centro de Perícias Científicas Renato Chaves), em Belém - Bruno Cecim/Ag.Para
Fachada do CPCRC (Centro de Perícias Científicas Renato Chaves), em Belém Imagem: Bruno Cecim/Ag.Para
do UOL

Do UOL, em São Paulo

03/06/2020 16h13Atualizada em 03/06/2020 16h28

O IML (Instituto Médico Legal) de Belém informou ontem que desativou dois dos três contêineres frigoríficos alugados para armazenar corpos durante a pandemia do novo coronavírus.

A desativação foi possível depois que o número de mortes na capital paraense diminuiu. Os contêineres armazenavam tanto corpos de pessoas que morreram em decorrência da covid-19 quanto de óbitos por causas naturais e outras doenças.

"Já chegamos a receber 20 corpos por dia, hoje a média está em dois", afirmou Celso Mascarenhas, diretor-geral do CPCRC (Centro de Perícias Científicas Renato Chaves), que administra o IML.

O contêiner que segue em funcionamento tem capacidade para armazenar até 20 corpos, mas continha cinco no último levantamento feito pelo CPCRC, às 11h de ontem.

O número já foi bem maior. Na primeira quinzena de maio, quando os três contêineres chegaram a ficar totalmente ocupados. Nos dois maiores, que foram desativados, a capacidade era para 35 corpos. Somados, os três contêineres armazenavam 90 corpos.

A capital paraense registrou, até ontem, 1.370 mortes por causa da covid-19 e 12.413 casos confirmados, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde.

Notícias