PUBLICIDADE
Topo

Testamos: Honda Civic EXL é ótimo sedã médio, mas motor turbo cairia bem

Linha 2020 do Civic tem novo visual, mas você conseguiu notar as diferenças? - Divulgação
Linha 2020 do Civic tem novo visual, mas você conseguiu notar as diferenças?
Imagem: Divulgação
do UOL

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo

15/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Sedã não ganhou mudanças profundas mesmo com chegada do novo Corolla
  • Linha 2020 trouxe mais itens de série e uma leve reestilização visual
  • Versão EXL custa R$ 112.600 - mais do que o arquirrival da Toyota

Foi difícil entender porque o Civic mudou tão pouco na linha 2020. Mesmo diante de um Toyota Corolla totalmente renovado e com a inédita tecnologia híbrida flex, a Honda fez alterações bem discretas no visual, reforçou a lista de equipamentos e ainda aumentou os preços.

Estratégias a parte, a boa notícia é que o sedã preservou suas virtudes. Durante a semana em que UOL Carros avaliou a versão EXL, ficou claro que o Civic ainda é uma das melhores opções para quem gosta de dirigir.

Gostoso de guiar

Poucos carros recebem tão bem o motorista como o Civic. O banco abraça bem o corpo, o volante tem ótima empunhadura e a posição de guiar é baixa como em um esportivo. Todos os comandos estão ao alcance das mãos e a central multimídia é fácil de entender e operar.

Cabine tem alguns itens de série a mais na versão EXL - Divulgação
Cabine tem alguns itens de série a mais na versão EXL
Imagem: Divulgação

Há espaço de sobra no banco de trás, cujo encosto em uma posição mais inclinada deixa os passageiros mais relaxados. Quem viaja lá atrás agora tem saídas de ar-condicionado (que é digital com duas zonas de temperatura) dedicadas, uma das novidades na lista de equipamentos desta configuração na linha 2020.

Saídas de ar para o banco de trás estão entre as novidades do sedã - Divulgação
Saídas de ar para o banco de trás estão entre as novidades do sedã
Imagem: Divulgação

A versão EXL ainda traz sensor de chuva, chave presencial e partida do motor por botão, somando-se aos 6 airbags, GPS , freio de estacionamento elétrico, controles de estabilidade e de tração, câmera de ré, sensor de pressão dos pneus, ganchos para fixação de cadeirinhas Isofix, acendimento automático dos faróis, lanternas em LED, faróis de neblina, revestimento interno em couro, volante multifuncional e duas entradas USB.

Mudou?

Difícil é notar onde estão as novidades do lado de fora. Apenas os para-choques foram redesenhados, e mesmo assim as mudanças foram bem sutis. Apliques cromados e novas rodas de liga leve também fazem parte do visual.

Frisos cromados identificam a linha 2020 do Civic - Divulgação
Frisos cromados identificam a linha 2020 do Civic
Imagem: Divulgação

As motorizações também continuam as mesmas. Na versão EXL é o 2.0 flex aspirado com 155 cv e torque máximo de 19,5 kgfm a 4.800 rpm. O sedã é um carro muito gostoso de dirigir e não falta fôlego nas acelerações, embora o Civic não tenha um comportamento esportivo.

A direção tem uma calibragem próxima da perfeição para quem gosta de dirigir e o consumo é satisfatório para a categoria: 7,2 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada com etanol no tanque e 8,9 km/l e 13 km/l se abastecido com gasolina.

Design da 10ª geração ainda é sedutor - Divulgação
Design da 10ª geração ainda é sedutor
Imagem: Divulgação

A notícia ruim é que o bom motor 1.5 turbo de 173 cv e 22,4 kgfm ainda é exclusividade da versão Touring. É uma estratégia sem muito sentido, especialmente se lembrarmos que alguns concorrentes têm apenas motores turbo, como Chevrolet Cruze e Volkswagen Jetta.

Outro problema é que o Civic EXL custa R$ 112.600, mais do que os R$ 110.990 pedidos pela arquirrival Toyota no Corolla XEi, que traz o novo motor 2.0 com 177 cv.

Estilo "cupê de quatro portas" tem seu fã clube - Divulgação
Estilo "cupê de quatro portas" tem seu fã clube
Imagem: Divulgação

Mesmo sendo um produto capaz de ainda seduzir pelo design arrojado (mais até do que o novíssimo Corolla) e outras qualidades, não é demais lembrar que a atual geração do Civic já está entre nós há quase quatro anos. Some isso à falta de novidades diante de um rival inteiramente repaginado e não vai ser difícil entender porque muita gente escolhe o sedã da Toyota.

Notícias