Topo

"Não me arrependo de ter desejado governar por 20 anos", diz Evo Morales

16.nov.19 - Evo Morales concede entrevista na Cidade do México, onde está exilado deste 12 de novembro  - Edgard Garrido/Reuters
16.nov.19 - Evo Morales concede entrevista na Cidade do México, onde está exilado deste 12 de novembro Imagem: Edgard Garrido/Reuters
do UOL

Do UOL, em São Paulo

16/11/2019 11h35Atualizada em 16/11/2019 12h47

Resumo da notícia

  • Exilado no México, ex-presidente boliviano diz que pretendia comandar país até 2025
  • Morales afirmou afirmou que 'conluio racista foi responsável por golpe de Estado'
  • Protestos na Bolívia mataram ao menos 8 e feriram ouras 125 pessoas

Exilado no México desde a terça-feira (12), o ex-presidente da Bolívia Evo Morales afirmou em entrevista ao jornal mexicano El Universal que não se arrepende de ter tentado concorrer ao quarto mandato. Seu objetivo, afirma, era governar por 20 anos, até 2025, no bicentenário da fundação da Bolívia.

"Não me arrependo porque ganhamos as eleições no primeiro turno", afirmou. "Com mais cinco anos estaria consolidado o crescimento econômico, a integração da Bolívia e a universalização dos distintos programas sociais."

Ele disse acreditar que não foram as manifestações ou as denúncias de irregularidades eleitorais que levaram a sua saída da Presidência, mas um conluio racista responsável por um "golpe de Estado".

No dia em que estava renunciando saquearam minha casa: eles semearam racismo. É mal visto ser indígena

Evo Morales, ex-presidente da Bolívia

"Eles os fazem odiar os povos camponeses, indígenas, nativos, os mais humildes, com ódio, racismo; usam a Bíblia contra a família", afirmou o ex-presidente.

Em entrevista, ele rejeitou as denúncias de fraude eleitoral e negou covardia por renunciar ao cargo ao afirmar que tentou evitar derramamento de sangue. Até o domingo passado, quando renunciou, não havia mortes por tiros, contra dez mortos três dias depois.

Ontem (15), ao menos mais oito pessoas morreram durante violentos confrontos entre manifestantes pró-Evo Morales e a polícia militar em Sacaba, perto de Cochabamaba, na sexta-feira (15). O protesto era contra a presidente interina do país, Jeanine Añez.

Morales se disse pronto para retornar à Bolívia se a Assembleia do país não aceitar a renúncia. Voltaria, disse, para pacificar a nação e organizar novas eleições, nas quais não seria candidato. "A bancada (do Movimento ao Socialismo, partido de Evo) está unida. Se rejeitam minha renúncia, tenho que voltar para estar com o povo, para lutar contra a ditadura, contra o golpe de Estado."

O boliviano afirmou que seu retorno seria em nome da pacificação, que "não vai chegar com bala, com arma, como está sendo feito". "Chegará à Bolívia com diálogo, com participação das Nações Unidas, da Igreja Católica, dos países voluntários como mediadores."

A presidente interina Jeanine Áñez declarou ontem que, se Morales voltar ao país, terá que "responder à Justiça" por irregularidades nas eleições de outubro e por "denúncias de corrupção".

Para Morales, o "golpe" foi orquestrado também fora do país. "Desde o momento em que o governo atual foi reconhecido primeiro pelos Estados Unidos e depois pela Inglaterra. Isto que está acontecendo é como na Venezuela, mas agora na Bolívia."

O ex-presidente também culpou os generais das forças armadas pelo derramamento de sangue no país. "Digo aos novos comandantes: não se manchem com o sangue do povo, não usem o equipamento das Forças Armadas contra o povo, isso é para defender a pátria; os generais, os comandantes estão errados. Porque sei que são os comandantes e generais, não as tropas."

Ele também disse que sonha com a volta das esquerdas na América Latina. Morales citou o ex-presidente Luiz Inácio lula da Silva, Hugo Chávez (ex-presidente venezuelano já morto), o casal argentino Néstor e Cristina Kirchner; o ex-presidente equatoriano Rafael Correa e o ex-presidente uruguaio José Mujica. "Sonhávamos com a integração de toda a América Latina e o Caribe. Tenho muita esperança de chegar a um dia como aqueles tempos."

História da Bolívia é marcada por golpes de Estado

Band Notí­cias

Notícias