Topo

Após prometer pobreza zero, Macri fecha mandato com maior índice da década

Protesto na Praça de Maio, em setembro, pedindo emergência alimentar, aprovada pelo Legislativo - Luciana Taddeo/UOL
Protesto na Praça de Maio, em setembro, pedindo emergência alimentar, aprovada pelo Legislativo Imagem: Luciana Taddeo/UOL
do UOL

Luciana Taddeo

Colaboração para o UOL, de Buenos Aires (ARG)

23/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Percentual de pobres no país é de 35,4%, o maior da década
  • Índice é mais alarmante entre crianças de 0 a 14 anos: 52,6%
  • 13% delas passaram fome em 2018 e quase 30% reduziram a dieta diária
  • Periferia de Buenos Aires concentra maior índice de insegurança alimentar extrema: 17,4% das crianças

Quando viu a fome se espalhar em seu bairro, o argentino Ismael Ángel decidiu agir. Improvisou um local no terreno onde mora, comprou alimentos e começou a servir refeições e lanches para cerca de 20 crianças. Dois anos depois, o local, mantido com doações, atende cerca de 100 menores.

Nos últimos meses, apareceu muito mais gente por aqui. Tem criança que repete quatro vezes a comida e familiares que perguntam se também podem comer. Às vezes os pais não querem vir por vergonha, mas tentamos mandar um prato", diz ele, que atribui o agravamento da situação ao fechamento de fábricas e desemprego."

O aumento da demanda do refeitório de Ángel, localizado no município de Quilmes, na província de Buenos Aires, retrata o agravamento da pobreza na Argentina. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos da Argentina (Indec), o percentual de pobres no país chegou a 35,4% da população, o mais alto da década. Na infância, o índice é ainda mais alarmante: atinge 52,6% das crianças de 0 a 14 anos.

A pobreza é determinada na Argentina por um cálculo de acordo com a localidade e a capacidade de satisfazer suas necessidades básicas —bens, serviços e consumo alimentar considerados essenciais.

De acordo com o Observatório da Dívida Social da UCA (Universidade Católica da Argentina), 13% das crianças passaram fome em 2018 e quase 30% tiveram que reduzir a dieta diária. A periferia de Buenos Aires concentra o maior índice de insegurança alimentar extrema: 17,4% das crianças.

"É o índice mais elevado da década", afirma Eduardo Donza, pesquisador do Observatório, que estima a pobreza em 39% neste semestre, devido à forte desvalorização do peso argentino após a vitória do candidato peronista Alberto Fernández nas eleições primárias de agosto.

Donza diz que o alto índice reflete a combinação de problemas estruturais, como uma pobreza acima de 20% que se arrasta desde 1983, e conjunturais, como a perda do valor da moeda local. "Na Argentina, a desvalorização [da moeda] aumenta muito os preços, principalmente dos alimentos, pela estrutura produtiva, com preços muito dolarizados. Isso, diante da capacidade limitada de aumento dos salários e ingressos, sobretudo em um contexto de recessão econômica como o de agora, faz a pobreza aumentar."

O índice de pobreza, no entanto, já foi pior. Na crise de 2001, chegou ao seu auge de 52%, segundo dados oficiais. Em 2009, esteve próxima a 30%. Mas a partir daí, o mercado de trabalho se estancou. Segundo dados da UCA, Cristina Kirchner deixou o governo em 2015 com 29,4% da população na pobreza. Na campanha daquele ano, Mauricio Macri disse que tinha como objetivo conseguir que a Argentina chegasse à "pobreza zero".

Debate entre os candidatos a presidente na Argentina, no último domingo - Divulgação
Debate entre os candidatos a presidente na Argentina, no último domingo
Imagem: Divulgação

Quatro anos depois, o flagelo da pobreza volta à campanha. "Temos que ter vergonha. Dizemos ser um país que produz alimentos para 400 milhões de pessoas e não podemos alimentar 15 milhões de pessoas no país que estão na pobreza", disse Fernández, ao apresentar seu plano "Argentina contra a fome".
A proposta inclui a criação de um conselho federal com organizações sociais e religiosas, empresas, universidades e meios de comunicação para trabalhar com os governos nacional e locais para melhorar a nutrição da população e implementar diversos mecanismos para facilitar o acesso a alimentos.

Desde o início do ano, na capital e na Grande Buenos Aires, pães e cereais aumentaram 36%, carnes e derivados 42% e lácteos e ovos 49%. "Não é possível que, no país do trigo e das vacas, o pão e o leite não parem de aumentar e que faltem na mesa dos argentinos", disse Fernández.

Macri o acusa de assinar, quando chefe de gabinete do kirchnerismo, o primeiro decreto de intervenção do Indec: "Aí começaram 8 anos de ocultação da pobreza, inflação, dados da economia", disse o presidente argentino no debate do último domingo, completando: "É indignante escutá-los falar de pobreza [...], a única ideia genial que tiveram foi ocultá-la".

Nos discursos da atual campanha, Macri reconhece que a classe média sentiu dificuldades para terminar o mês em sua gestão, mas garante que um novo mandato será de alivio para este setor da população e que o está país preparado para crescer.

O forte aumento de tarifas em seu governo, que mirou na redução do déficit fiscal, também castigou o bolso dos argentinos. O representante da associação Consumidores Libres, Héctor Polino diz que em 2018 houve 300 mil cortes de eletricidade por falta de pagamentos dos usuários às empresas que atendem à cidade de Buenos Aires. E somente em janeiro e fevereiro deste ano, 75 mil tiveram o serviço cortado.

Apesar de trabalhar todos os dias, Edgardo não consegue pagar o colégio dos filhos e teve a luz cortada - Luciana Taddeo/UOL
Apesar de trabalhar todos os dias, Edgardo não consegue pagar o colégio dos filhos e teve a luz cortada
Imagem: Luciana Taddeo/UOL

Além disso, o salário dos argentinos foi corroído por uma inflação anual que supera os 50%. Após a desvalorização de agosto, Macri anunciou medidas, como a isenção de impostos de alguns alimentos da cesta básica e o congelamento do preço dos combustíveis, para conter os impactos. A inflação de setembro foi de 5,9%, o recorde do ano.

Para Polino, além do impacto da desvalorização, há o fator que ele qualifica como "por via das dúvidas":

Por via das dúvidas, os preços vão sendo remarcados permanentemente. Hoje, na Argentina, ninguém sabe qual é o preço justo e razoável dos produtos, devido às constantes variações e à enorme diversidade de valores cobrados pelo mesmo produto

O taxista Edgardo Meza, mesmo trabalhando de 12 a 14 horas, de domingo a domingo, não consegue pagar as contas: "Não consegui pagar a luz vários meses, porque a conta passou de uns 800 pesos bimestrais para mais de 2.500 pesos mensais. Também tenho dívida com o colégio dos meus filhos e não sei como vou acertar".

Morador de uma zona de classe média baixa da cidade de Moreno, na Grande Buenos Aires, ele diz que já não consegue fazer uma compra do mês, e a solução é ir abastecendo a casa aos poucos. E o churrasco, antes frequente nos domingos, agora ficou bem mais caro.

Notícias