Topo

Boeing suspende metas financeiras anuais por incertezas em torno do 737 MAX

2019-04-24T11:55:00

24/04/2019 11h55

Nova York, 24 Abr 2019 (AFP) - A Boeing anunciou nesta quarta-feira (24) a suspensão de suas metas financeiras anuais, após uma queda nas receitas no primeiro trimestre, devido à incerteza em torno de seu modelo 737 MAX, que protagonizou duas tragédias aéreas que deixaram um total de 346 mortos.

O lucro líquido no primeiro trimestre caiu 13,2% em relação ao mesmo período do ano passado, a US$ 2,1 bilhões, enquanto o faturamento foi de US$ 22,9 bilhões, o que implica uma queda de 1,98%, informou a gigante americana de aviação em um comunicado.

A Boeing disse que as previsões financeiras para 2019 não refletem o impacto dos acidentes sofridos pelos modelos 737 MAX, que foram deixados no chão.

A empresa estimou o primeiro impacto da imobilização da frota do 737 MAX em US$ 1 bilhão.

Este montante cobre um aumento previsto nos custos de produção do 737 MAX e, em especial, mudanças atualmente feitas pela Boeing para evitar mau funcionamento do sistema de estabilização MCAS. Inclui ainda o treinamento adicional para os pilotos, conforme exigido pelas autoridades americanas para suspender a proibição de voo que afeta esse modelo.

Não inclui, porém, a possível indenização das companhias aéreas que tiveram de cancelar voos regulares do 737 MAX, nem os possíveis pagamentos que a Boeing poderá ser obrigada a fazer às famílias das vítimas.

Analistas estimam que a fatura final pode chegar a bilhões de dólares.

Dada a incerteza sobre quando a frota de 737 MAX retornará a operar, as previsões serão anunciadas mais tarde.

O Boeing 737 MAX está em solo desde meados de março, após o segundo acidente envolvendo o sistema antibloqueio MCAS.

A empresa vem trabalhando em uma solução de software para seu sistema de estabilização, depois que os acidentes na Etiópia (com 157 mortos) e na Indonésia (189 mortes) ocorreram logo em seguida à decolagem.

No fim de semana, a Administração Federal de Aviação (FAA, na sigla em inglês) anunciou que fará uma revisão técnica conjunta das mudanças no Boeing 737 MAX, a partir de 29 de abril, da qual participarão representantes de nove autoridades de aviação internacional.

Esta revisão técnica fará uma avaliação minuciosa da certificação do sistema automatizado de controle de voo da aeronave, de acordo com um comunicado divulgado pela agência federal americana na sexta-feira.

As autoridades aéreas que participarão dessa avaliação são do Brasil, Austrália, Canadá, China, União Europeia (Agência Europeia para a Segurança da Aviação, a Easa), Japão, Indonésia, Singapura e Emirados Árabes Unidos.

O grupo encarregado desta revisão é presidido pelo ex-chefe da Agência de Segurança nos Transportes dos EUA e inclui especialistas da FAA e da Nasa, bem como representantes das autoridades de aviação internacionais.

Ainda hoje, o presidente da Boeing, Dennis Muilenberg, deve dar uma entrevista muito aguardada pelos meios financeiros, ansiosos por informações sobre a data de retorno do 737 MAX às operações.

Por que os voos com o 737 Max foram suspensos no mundo todo

UOL Notícias

Mais Notícias