Topo

Israel responsabiliza Hamas por lançamento de foguete que deixou feridos

2019-03-25T08:16:00

25/03/2019 08h16

Jerusalém, 25 mar (EFE).- O Exército de Israel reforçou nesta segunda-feira com duas brigadas adicionais a periferia de Gaza e responsabilizou o movimento islamita Hamas pelo lançamento de um foguete que ontem à noite deixou sete feridos, incluídos três menores, ao cair em um imóvel israelense.

"O foguete chegou a mais de 120 quilômetros desde o enclave. Ele pertence ao Hamas e é de fabricação caseira. O Hamas lançou este foguete. Vemos o Hamas como responsável por tudo o que acontece dentro do enclave", disse a porta-voz do Exército Mika Lifshitz em entrevista coletiva telefônica.

Lifshitz anunciou que reforçou com duas brigadas adicionais de infantaria as regiões periféricas de Gaza depois de uma reunião do chefe de pessoal, da agência de inteligência e de outro responsável pela segurança do país.

O projétil foi disparado por volta das 5h35 local rumo à região central de Israel e caiu em uma casa no moshav de Mishmeret, que ficou gravemente danificada.

"Levamos este evento muito a sério", disse a porta-voz militar sobre um evento que deixou sete feridos, incluída uma menina de 12 anos, um criança de 3, e um bebê de um ano e meio, segundo o serviço de emergência Maguen David Adom (equivalente em Israel à Cruz Vermelha).

Embora o sistema de defesa israelense Domo de Ferro cubra essa zona, como indicou a porta-voz militar, a bateria antimísseis não interceptou o projétil, que segundo a rede de televisão "Al Jazira" é um foguete J80, propriedade do braço armado do Hamas, Brigadas de Ezedin al Qasam, embora o movimento ainda não tenha se pronunciado oficialmente.

Uma fonte do movimento islamita Hamas em Gaza afirmou à televisão árabe por satélite "Al Arabiya" que o foguete foi lançado por erro, ativado por causa da chuva e dos raios que caíram no enclave palestino ao longo da noite.

Há dez dias, foram lançados dois foguetes desde Gaza para a região de Tel Aviv que não causaram danos e nem feridos e que foram respondidos com mais de cem bombardeios israelenses sobre alvos militares na Faixa.

Naquele momento, também foi informado que os projéteis poderiam ter sido lançados não intencionalmente e nenhuma milícia palestina reivindicou a autoria do ataque.

Por enquanto e como é habitual neste tipo de situações, a liderança do Hamas evacuou as instalações militares e escritórios à espera de uma resposta de represália israelense.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, que realiza uma visita oficial aos EUA, onde se reunirá nesta manhã com o presidente Donald Trump, anunciou que encurtará sua viagem e retornará imediatamente a Israel para fazer frente à situação de segurança. EFE

Mais Notícias