Topo

Câmeras captam garoto de 3 anos deixando vagão e sendo atropelado no metrô

do UOL

Leonardo Martins

Do UOL, em São Paulo 

11/02/2019 12h06Atualizada em 11/02/2019 19h32

Imagens das câmeras de segurança do Metrô de São Paulo mostram o exato momento em que Luan Silva de Oliveira, 3, deixa o vagão em que estava com a família, a hora em que entra no túnel da estação Santa Cruz e o instante em que é atropelado por um trem no túnel entre as estações Santa Cruz e Praça da Árvore em 23 de dezembro do ano passado.

As imagens foram divulgadas nesta manhã de segunda-feira (11) pelo advogado da família de Luan, Ariel de Castro Alves, que está acompanhando o caso. O acidente ocorreu quando Luan ia com a mãe, Lineia Oliveira Silva, 25, e seus dois irmãos, de 7 e 9 anos, para a cidade de Santos, litoral paulista. O padrasto do menino e o sogro de Lineia também estavam no vagão. 

As filmagens mostram que, às 11h05, a bolsa de Linea cai no chão do vagão, ela se abaixa para pegar e Luan sai inesperadamente do vagão do trem na estação Santa Cruz, segundos antes do fechamento automático das portas. Pessoas que estavam no vagão foram em direção à janela e se desesperam junto à mãe. O botão de emergência não foi acionado por nenhum dos passageiros na composição.

Luan ficou sozinho na plataforma do trem e as câmeras de segurança em um dos trens mostram quando o garoto entra no túnel no intuito de seguir o trem que sua mãe estava. Ele cai nos trilhos, tenta se levantar para sair da linha do trem, mas acabou sendo atropelado entre as estações Santa Cruz e Praça da Árvore. 

Luan Silva de Oliveira, 3, foi atropelado no metrô de São Paulo - Arquivo pessoal
Luan Silva de Oliveira, 3, foi atropelado no metrô de São Paulo
Imagem: Arquivo pessoal
Linea desembarcou na estação seguinte (Praça da Árvore), avisou os funcionários sobre o ocorrido por volta das 11h15 e, segundo Linea, eles afirmaram que iriam ver as câmeras internas para localizar o garoto. Uma pessoa não identificada chegou a enviar uma mensagem SMS para a central do Metrô às 11h07. 

Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, o Metrô iniciou a busca pela plataforma, seguido pelo mezanino da estação Santa Cruz e também pelo shopping presente na estação. A autorização para buscar Luan nos trilhos veio às 12h08. Quatorze minutos depois, o garoto foi avistado por um metroviário e as equipes localizaram Luan às 12h46. Ele foi encaminhado ao Hospital São Paulo, mas já chegou sem vida. 

Segundo o advogado da família de Luan, não se sabe ainda quantos trens passaram em cima do corpo até que houvesse a paralisação completa da linha. "Naquele dia os trens passavam de 4 em 4 minutos", ressalta. 

A policia investiga o caso e, segundo ofício respondido pelo Metrô, demorou cerca de quatro minutos para o menino desembarcar e ser atropelado dentro do túnel. 

À época, o Metrô informou que as buscas pela criança foram iniciadas assim que os agentes de segurança foram informados sobre o desaparecimento e que a vítima foi encontrada desacordada, dentro do túnel, a 200 metros da estação Santa Cruz.

O inquérito ainda não foi concluído e está sob análise do Ministério Público de São Paulo para ver se serão requisitadas novas diligências.

Mãe descobriu gravidez e sofreu aborto espontâneo

A mãe de Luan explicou que teve dificuldade de encontrar seguranças na estação seguinte a que o garoto escapou. "A gente procurou seguranças embaixo [na plataforma] para ver se tinha alguém, não encontramos, e aí gente subiu [até o primeiro andar da estação] e lá contamos. Os seguranças falaram que estavam vendo na câmera, então desci para procurar, uma moça se solidarizou e também foi", disse. 

Alves criticou o sistema de segurança do Metrô. "Houve demora entre os fatos e a realização do socorro. Uma composição visualizou o corpo do menino entre os trilhos e só então os funcionários foram fazer o socorro. Mostra que o Metrô é local de risco ainda mais nessas linhas mais antigas por conta do túnel e plataformas estarem abertos", disse.

A dona de casa afirmou ter sido julgada por outras pessoas como responsável pela morte do filho e relatou que o pai da criança teria pedido a guarda dos dois irmãos de Luan. 

"Todo dia passa um filme na cabeça. Eu nem tô dormindo direito. Me culpo por não ter conseguido fazer nada. É uma dor que nunca vai passar. Pra mim ele não morreu não, eu acho que ele está vivo, em algum lugar eu sei que ele está vivo", disse,

Lineia descobriu ainda após a tragédia que estava grávida de dois meses, mas, segundo a dona de casa, devido ao estresse emocional na relação com o ex-marido e pai da criança, o pedreiro Adeilton Bispo de Oliveira, 32, ela sofreu um aborto espontâneo e perdeu o bebê.

Procurado pela reportagem do UOL, o Metrô de São Paulo ainda não respondeu sobre as acusações feitas pela defesa da família de Luan.

Mais Notícias