PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Ovelhas das ilhas Orkney com dieta à base de algas contra o aquecimento global

27/10/2021 09h18

North Ronaldsay, Reino Unido, 27 Out 2021 (AFP) - Em uma pequena ilha no remoto arquipélago escocês Orkney, as ovelhas só comem algas marinhas durante o inverno. Uma dieta única que, segundo os climatologistas, reduz as emissões de metano e pode ajudar a limitar a poluição.

Apenas 60 pessoas vivem em North Ronaldsay, uma ilha de 5 km de extensão cercada por praias rochosas com águas azul-turquesa.

Em uma área tão pequena deviam cultivar hortaliças e alimentar alguns bovinos, então "não havia lugar para as ovelhas" que invadiam o território aos milhares, explica à AFP Scott Sinclair, um agricultor aposentado que sempre viveu na ilha.

Para mantê-las longe das estradas e campos, séculos atrás os moradores construíram muros de pedra que as mantinham isoladas nas praias.

Lá as ovelhas, com sua espessa lã marrom, bege ou preta, aprenderam a pastar o que encontravam, ou seja, algas. Embora tenham grama ao seu alcance durante os meses de verão, a partir de outubro esta é a única opção de sobreviver até a primavera seguinte.

Outros animais, como os pôneis do arquipélago vizinho de Shetland ou os veados da costa escocesa, também comem algas marinhas, mas pesquisadores afirmam que seu consumo por ovelhas é exclusivo de North Ronaldsay.

Cerca de 500 km mais ao sul, em Dundee, no leste da Escócia, Gordon McDougall, pesquisador em ciências ambientais e bioquímica do Instituto James Hutton, explica como os cientistas vêm estudando a dieta das ovelhas das ilhas Orkney há 20 anos.

- Como um delicioso espaguete -Em um momento de emergência climática e poucos dias antes do início da conferência internacional COP26 em Glasgow, este exemplo pode ajudar a melhorar o manejo da pecuária, uma das indústrias mais poluentes do mundo devido às emissões de metano produzidas pela flatulência dos animais.

À primeira vista, o problema pode parecer ridículo ou fútil, mas é crucial: o metano é um gás de efeito estufa cerca de 30 vezes mais poderoso do que o CO2 e, dado o tamanho da indústria da carne, é uma questão prioritária para os climatologistas.

"Existem diferentes componentes nas algas que interferem no processo pelo qual as bactérias do estômago dos animais produzem metano", explica McDougall.

Do outro lado do mundo, pesquisadores da universidade UC Davis da Califórnia estão no mesmo caminho que seus colegas escoceses.

Em um estudo publicado em março, observaram que "um pouco de algas na alimentação do gado poderia reduzir as emissões de metano em até 82%".

David Beattie, outro pesquisador do James Hutton Institute, acredita que "há um movimento realmente grande dentro da indústria para tentar reduzir a pegada climática (...) e acho que as algas podem ajudar".

Não significa, porém, uma dieta 100% à base de algas, como a das ovelhas de Ronaldsay, mas sim um suplemento à dieta tradicional de bovinos ou ovinos.

As algas não estão disponíveis atualmente em quantidades suficientes para alimentar tantos animais, observa McDougall, acrescentando que comer demais também pode ter efeitos prejudiciais ao meio ambiente e aos ecossistemas.

Mas essa boa fonte de minerais, vitaminas e ômegas poderia substituir parcialmente a soja, que é produzida no outro lado do mundo, muitas vezes à custa de um desmatamento devastador para o clima.

"Temos absolutamente que testar que tipo de alga é a melhor, quanto dar para obter o melhor efeito. Então, podemos aumentar a escala a um nível que tenha um impacto em toda a indústria agrícola britânica", conclui McDougall.

Ao vê-las devorar as plantas marinhas como um delicioso espaguete, parece que as ovelhas de North Ronaldsay estão satisfeitas com a proposta.

ved/acc/mar/mr

Notícias