PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Equador promete aos EUA respeitar princípios 'democráticos' durante estado de emergência

19/10/2021 20h06

Quito, 19 Out 2021 (AFP) - O presidente do Equador, Guillermo Lasso, prometeu durante conversas nesta terça-feira (19) respeitar os princípios "democráticos" durante o estado de emergência contra o narcotráfico em seu país, afirmou o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken.

As operações devem ser "muito focadas no que desejam alcançar e ter uma duração finita e, é claro, agir de maneira a defender os valores democráticos", disse Blinken a repórteres depois de se reunir com Lasso na sede do governo em Quito.

Lasso "me garantiu que seu governo está comprometido em manter todos esses padrões, que são tão importantes para o povo equatoriano", acrescentou Blinken, que realiza sua primeira viagem pela América do Sul, que também inclui uma visita de dois dias a Bogotá a partir desta quarta-feira.

O presidente equatoriano, um ex-banqueiro de direita que assumiu o cargo em maio, decretou na segunda-feira estado de emergência em todo o país por 60 dias diante de uma "grave agitação interna" devido aos altos índices de violência provocados pelo tráfico de drogas.

Com esta medida, Lasso ordenou o destacamento "imediato" de militares para apoiar policiais nas ruas em patrulhas e buscas, embora tenha se abstido de restringir liberdades como as de protesto ou reunião.

O Equador, localizado entre a Colômbia e o Peru - principais produtores mundiais de cocaína junto com a Bolívia -, é utilizado como depósito e para o envio de drogas aos Estados Unidos e à Europa.

As apreensões de drogas entre janeiro e outubro de 2021 atingiram o recorde anual de 147 toneladas, em comparação com 128 toneladas em 2020, enquanto os homicídios dolosos subiram para quase 1.900 (onze a cada 100.000 habitantes), contra cerca de 1.400 no período anterior, segundo dados oficiais.

Lasso também enfrenta um mal estar social devido ao aumento gradual dos preços dos combustíveis, um tema que no passado gerou protestos duramente reprimidos.

sct-sp/st/lda/ag/ic/mvv

Notícias