PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Extinção da comissão de reforma tributária foi pensada em dezembro de 2020

Arthur Lira já tinha intenção de acabar com comissão antes mesmo de ser eleito presidente da Câmara - Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
Arthur Lira já tinha intenção de acabar com comissão antes mesmo de ser eleito presidente da Câmara Imagem: Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
do UOL

Lucas Valença

Do UOL, em Brasília

07/05/2021 12h15

A drástica decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de dissolver o colegiado criado em fevereiro de 2020 pelo antecessor Rodrigo Maia (DEM-RJ) e pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para discutir a reforma tributária, foi cogitada no fim do ano passado. A decisão contou com a anuência da equipe econômica do governo.

Quando o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), então relator da CMRT (Comissão Mista da Reforma Tributária), leu o relatório da reforma, a PEC 45 já não contava mais com o apoio do Centrão e contrariava as observações feitas pelo presidente da Casa e pelo líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR).

A insatisfação com o parlamentar, que ficou mais de um ano sem apresentar o trabalho da comissão, porém, data de dezembro do ano passado, quando, ainda candidato, Arthur Lira pediu para conhecer o trabalho do relator, já que a reforma tributária seria uma das principais pautas de sua possível gestão. O desejo foi ignorado por Aguinaldo.

Só que foi no início de janeiro, em uma casa na Praia do Forte, na Bahia, onde o alagoano, hoje presidente da Câmara, se encontrou com dezenas de apoiadores que compunham sua candidatura. Lá, Lira desabafou e afirmou que, caso eleito, iria criar um novo colegiado para trabalhar um outro projeto de reforma.

O desejo do agora presidente, contudo, foi contido pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI) que interveio para tentar impedir uma crise no partido. Assim, o alagoano condicionou a permanência do colegiado a um relatório que fosse "palatável e alinhado com o governo", o que acabou não acontecendo, como explicou um parlamentar presente no encontro baiano.

"Basicamente, a proposta que o relator apresentou é incompatível com o desejo do governo. O problema é que cria um problema no partido", disse o correligionário.

Futuro da reforma

A PEC que estava sob a responsabilidade de Aguinaldo também gerou insatisfação em parte do empresariado nacional, já que o texto aumentava a tributação, em especial, do setor de serviços.

Após dissolver o colegiado, Lira optou pela celeridade no processo e levou a PEC 45 ao plenário e deve escolher pessoalmente um deputado de confiança para relatar o projeto. Este, deverá fazer modificações no texto para contemplar o governo.

"Não há mais tempo para passar na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e em todas as outras comissões. O novo relator terá de resolver o problema", ressaltou um deputado próximo ao presidente.

A reforma que deverá ser votada focará na simplificação dos tributos. O novo relatório, irá criar o chamado IBS (Imposto Sobre Bens e Serviços), que reunirá cinco impostos (PIS, Cofins, ICMS, IPI e ISS).

Para tentar amenizar o conflito criado e tentar acalmar o mercado, Arthur Lira deverá se encontrar até domingo (9) com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para discutir o futuro da reforma.

Notícias