PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Paquistão ordena corte temporário de acesso a redes sociais após manifestações violentas

16/04/2021 11h25

Islamabad, 16 Abr 2021 (AFP) - O governo paquistanês ordenou à autoridade de regulamentação das comunicações que bloqueie nesta sexta-feira, por algumas horas, as redes sociais e os aplicativos de mensagens no país, após vários dias de manifestações violentas antifrancesas.

Em uma notificação enviada à Autoridade de Telecomunicações Paquistanesa (PTA), o ministério do Interior pede um "bloqueio completo" do Twitter, Facebook, WhatsApp, YouTube e Telegram nesta sexta-feira por algumas horas.

A PTA destacou que o objetivo é "manter a ordem pública e a segurança". O serviço foi restabelecido à tarde.

A proibição ocorreu depois que a embaixada francesa no Paquistão recomendou aos seus cidadãos e empresas franesas que abandonassem temporariamente o temporariamente o país, devido às "graves ameaças" que pesam sobre os interesses franceses.

O anúncio aconteceu após vários dias de manifestações violentas em Lahore (leste) e Karachi (sul), as duas maiores cidades do país, assim como na capital Islamabad (norte), estimuladas pelo partido islamita radical Tehreek-e-Labbaik Pakistan (TLP), para exigir a expulsão do embaixador da França.

Os partidos políticos utilizam frequentemente as redes sociais no Paquistão para mobilizar os militantes. Talvez as autoridades temam que o TLP utilize a oração de sexta-feira, que leva multidões de fiéis às mesquitas, para estimular o descontentamento de seus simpatizantes.

A detenção, na segunda-feira passada em Lahore, do líder do TLP, Saad Rizvi, provocou grande irritação entre seus apoiadores, e mais de 200 deles foram detidos nos últimos dias em confrontos com a polícia, segundo indicaram fontes policiais à AFP.

Horas antes de ser detido, Rizvi convocou uma manifestação em Islamabad em 20 de abril para exigir a expulsão do embaixador francês.

O TLP, um influente partido extremista que instrumentaliza a questão da blasfêmia, tem uma grande capacidade de mobilização e, no passado, conseguiu bloquear estradas por vários dias.

No entanto, a situação nesta sexta-feira foi muito mais tranquila, apesar de um grupo de simpatizantes do TLP ter se manifestado em frente a uma escola religiosa, que também é a sede do partido.

- "Dias caóticos" -"Esses últimos dias foram caóticos", declarou à AFP Mariam Jamal, trabalhadora de uma empresa do mercado digital de Lahore.

"Primeiro não podíamos chegar no trabalho a hora por culpa dos engarrafamentos e dos controles nas estradas, agora não podemos fazer quase nada porque as redes sociais estão bloqueadas", acrescentou.

O governo do primeiro-ministro Imran Khan tentou durante vários anos controlar o TLP, mas foi em vão. No entanto, na quarta-feira foi mais além e anunciou a proibição do partido, classificando-o como um grupo terrorista.

O sentimento antifrancês é grande no Paquistão desde que o presidente Emmanuel Macron defendeu o direito de publicação de charges em nome da liberdade de expressão.

A defesa aconteceu durante uma homenagem a um professor assassinado em 16 de outubro na região de Paris, depois de exibir desenhos satíricos em uma aula, após a nova publicação de representações do profeta Maomé pelo semanário francês Charlie Hebdo.

O islã, em sua interpretação estrita, proíbe qualquer representação de Maomé.

Além disso, a segurança foi reforçada nas imediações da embaixada da França em Islamabad.

sjd/ecl/fox/mar-me/pc/fp/aa

Notícias