PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Estudo aponta aumento de adesão à vacinação contra a Covid-19 em vários países

01/03/2021 10h10

A adesão da população à vacina contra a Covid-19 está crescendo em vários países, entre eles os Estados Unidos, o Reino Unido e até mesmo a França, palco de um forte movimento contra os imunizantes. Os dados integram um estudo publicado nesta segunda-feira (1°) pela agência Kekst CNC. 

A adesão da população à vacina contra a Covid-19 está crescendo em vários países, entre eles os Estados Unidos, o Reino Unido e até mesmo a França, palco de um forte movimento contra os imunizantes. Os dados integram um estudo publicado nesta segunda-feira (1°) pela agência Kekst CNC. 

O levantamento foi realizado na França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Estados Unidos e Suécia e mostra um claro aumento na intenção das pessoas de se vacinarem, em relação ao final do ano passado. Na França, por exemplo, 59% dos entrevistados se dizem dispostos a receber as doses. Em dezembro de 2020, apenas 40% dos franceses sinalizavam essa intenção.

O maior aumento ocorre na Suécia, onde 76% das pessoas se dizem favoráveis à vacinação contra a Covid-19, contra 51% no último mês de setembro. No entanto, é no Reino Unido que a taxa de adesão ao imunizante é maior: 89%, em relação a 65% em setembro de 2020.  

Mais confiança, críticas maiores

Se as pessoas estão se mostrando mais favoráveis à imunização contra o coronavírus, elas também demonstram mais críticas sobre a eficácia das campanhas em seus respectivos países. No Reino Unido, por exemplo, três em quatro indivíduos entrevistados comemoram a estratégia adotada pelo governo. Por outro lado, essa percentagem cai para 32% nos Estados Unidos, 22% na França e 20% na Suécia.

Interrogados sobre o país mais eficaz na campanha de imunização, é sem surpresa que os participantes do estudo apontam Israel, onde a metade da população recebeu ao menos uma dose do imunizante contra a Covid-19. O Reino Unido, onde 20 milhões de pessoas tiveram pelo menos a primeira injeção, também é lembrado.

A maior parte dos entrevistados também expressou a necessidade de manter as medidas para proteger a saúde dos cidadãos. Seis a cada 10 britânicos preferem limitar a propagação do vírus a priorizar a economia. No Japão, essa percentagem chega a 50% (contra 18% que acreditam que a economia deve ser a prioridade), além de 47% na Alemanha e na Suécia (contra 31% e 29%, respectivamente).

Apenas os franceses defendem uma maior priorização da atividade econômica (38% contra 36% em favor de medidas que limitem a propagação do vírus).

Favoráveis a restrições

Um ano após o início da pandemia, a maioria dos participantes do levantamento realizado pela agência Kekst CNC vê com desconfiança a possibilidade de flexibilização das medidas, mesmo em caso de recuo da quantidade de contaminações e mortes por Covid-19.

O estudo mostra, por exemplo, a oposição da maioria dos entrevistados à realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A tendência é verificada inclusive no Japão, onde apenas 16% da população é favorável à organização do evento.

A pesquisa foi realizada em meados de fevereiro, durante 10 dias. Cerca de mil adultos de amostras representativas de cada país foram ouvidos. A margem de erro é de 3,3%.

Notícias