PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

SP corre risco de colapso na saúde se população não ajudar, diz secretário

Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
do UOL

Afonso Ferreira, Allan Brito e Leonardo Martins

Do UOL e Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/02/2021 13h46Atualizada em 26/02/2021 14h45

O secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou hoje que o estado corre risco de enfrentar um colapso no sistema de saúde devido ao aumento de internações por causa da covid-19.

Para evitar esse cenário, é preciso que a população faça sua parte e adote medidas de distanciamento social e uso de máscara em ambientes públicos, segundo o secretário.

"Estamos fazendo o melhor, mas tudo tem limite: recursos humanos, espaços em UTIs. Temos risco de colapsar. Precisamos do apoio da população. Mais do que nunca, a população tem de acolher nossos chamados", disse Gorinchteyn durante entrevista coletiva para anunciar que a Grande São Paulo, que inclui a capital, e outras cinco regiões regrediram de fase no Plano São Paulo.

O secretário alertou que hoje o estado tem 6.767 pessoas internadas em UTIs, 510 —ou 8%— a mais do que o registrado no pico da primeira onda no ano passado. Além disso, a ocupação desses leitos tem aumentado a uma taxa de 1,6% ao dia, o que pode levar a um esgotamento das vagas.

"Teríamos risco de esgotamento de leitos em 20 dias, se medidas não fossem implementadas. Na Grande São Paulo, teríamos esgotamento em 19 dias", declarou.

Hospitais de campanha

O secretário afirmou também que o estado estuda reabrir hospitais de campanha, mas a preferência é abrir leitos dentro de unidades hospitalares já existentes para dar celeridade à abertura e início da assistência.

Gorinchteyn citou como exemplo maternidades que deixam de atender pacientes da área obstétrica e poderiam usar sua estrutura e profissionais para acolher pacientes com covid-19.

"Não tiramos do radar possibilidade de [reabrir] hospitais de campanha, mas de forma célere, para garantir assistência rápida, como é na pandemia", declarou. "O que precisamos, frente à velocidade da pandemia, não teremos tempo para abrir licitação e postergaríamos inicio das obras."

Segundo o secretário, há uma oferta de 130 leitos de hospitais particulares na região central de São Paulo, que poderiam ser disponibilizados para o atendimento da covid-19 com móveis e profissionais.

"Todas as estratégias estão sendo avaliadas e, possivelmente, retomadas nos próximos dias a medida em que tivermos ocupação maior", afirmou.

Notícias