PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Polícia dispersa novas manifestações em Belarus, que deixam um morto

10/08/2020 21h58

Minsk, Bielorrússia, 11 Ago 2020 (AFP) - Um manifestante morreu na noite desta segunda-feira em Belarus em meio a protestos contra a reeleição para um sexto mandato do presidente Alexandre Lukashenko, dispersados pelas forças de segurança, informou a polícia bielorrussa.

"Um dos manifestantes tentou lançar um objeto explosivo contra as forças de segurança, mas o objeto explodiu em suas mãos", matando-o, disse a polícia em um comunicado.

A porta-voz da polícia bielorrussa, Olga Tchemodanova, confirmou à AFP a morte de um manifestante. Outras pessoas também ficaram feridas, disse ela, sem dar mais detalhes.

O anúncio foi feito em um momento em que a polícia bielorrussa dispersa à força as manifestações contra os resultados de uma eleição presidencial tensa no domingo, com gás e balas de borracha.

A candidata da oposição em Belarus refutou os resultados oficiais nesta segunda-feira e pediu ao presidente Alexandre Lukashenko que renunciasse ao poder no dia seguinte às eleições e à violenta repressão às manifestações antigovernamentais.

Svetlana Tikhanovskaya, que em poucas semanas se tornou rival inesperada do autocrata que governa o país há 26 anos com mão de ferro, denunciou fraudes após o anúncio da vitória do presidente cessante com 80% dos votos.

"O poder deve refletir sobre como nos ceder o poder. Eu me considero a vencedora das eleições", disse a novata política de 37 anos, que denunciou a repressão às manifestações contra a reeleição do homem forte do Belarus, reprimido com particular virulência em Minsk, onde as forças da ordem lançaram granadas e dispararam contra os milhares de pessoas reunidas.

O partido da oposição, que acusou o regime de "se manter pela força", não participou das manifestações marcadas para esta segunda-feira. A porta-voz de Tikhanovskaya explicou que ela não compareceria porque "o poder poderia organizar qualquer situação para detê-la".

Nesta segunda-feira à noite, barricadas foram erguidas nas ruas centrais de Minsk, um sinal do aumento das tensões, e várias explosões foram ouvidas, de acordo com um jornalista da AFP no local.

- 3.000 detidos -O Ministério do Interior informou pela manhã que 3.000 pessoas haviam sido detidas, além de 50 civis e 39 policiais feridos em 33 localidades.

No exterior, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, condenou a repressão e exigiu uma recontagem "exata" dos votos e a OTAN mostrou "séria preocupação" com os resultados eleitorais e condenou a violência. Os líderes russos e chineses Vladimir Putin e Xi Jinping parabenizaram o presidente Lukashenko.

A Casa Branca disse nesta segunda-feira que está "profundamente preocupada" com a eleição presidencial na e pediu às autoridades que permitam protestos.

A assessora de imprensa do presidente Donald Trump, Kayleigh McEnany, disse que "a intimidação de candidatos da oposição e a detenção de manifestantes pacíficos" estavam entre os vários fatores que "prejudicaram o processo".

"Instamos o governo bielorrusso a respeitar o direito de se reunir em paz e abster-se do uso da força", disse a repórteres.

Nas últimas semanas, o presidente bielorusso acusou Moscou de querer subjugar seu país e de tentar desestabilizá-lo, em particular enviando mercenários.

Lukashenko afirmou nesta segunda-feira que as manifestações foram "teleguiadas" a partir do exterior e destacou que "não permitirá que o país seja feito em pedaços".

Ele também acusou forças estrangeiras de terem cortado a internet no Belarus. A oposição acredita que as autoridades orquestraram os cortes para melhor organizar a repressão.

"Lukashenho não é digno de ser presidente. Ele envergonha nosso país com seus atos", declarou à AFP um dos manifestantes, Pavel, um empresário de 34 anos.

Em 2010, depois da eleição presidencial, as manifestações da oposição foram brutalmente reprimidas.

- Repressão crescente -Alexandre Baunov, do centro Carnegie Moscou, prevê um "aumento da repressão" e de "fortes sentenças de prisão" caso os protestos continuem.

Na noite de domingo, milhares de bielorrussos saíram às ruas, estimando que Tikhanovskaya, desconhecida do público há algumas semanas, tenha sido a vencedora da eleição.

Imagens divulgadas pela mídia de oposição mostraram a polícia disparando balas de borracha e granadas de som contra os manifestantes, especialmente no rosto.

A campanha eleitoral foi marcada por um fervor sem precedentes por Svetlana Tikhanovskaya, que substituiu seu marido, um conhecido blogueiro, na corrida presidencial após sua prisão em maio.

A candidata pediu a seus seguidores que usassem uma pulseira branca quando fossem votar e fotografassem suas cédulas para dificultar a fraude.

No domingo, longas filas de espera se formaram fora das muitas seções eleitorais.

"Com filas assim, é impossível que Lukashenko tenha vencido", disse Liubov Smirnova, um aposentado de 65 anos.

As autoridades redobraram seus esforços no final da campanha para tentar conter a oposição e não hesitaram em prender uma dezena de seus colaboradores.

Diante da ascensão de sua candidatura, os principais rivais de Lukashenko foram colocados de lado. Dois estão sob custódia.

A mobilização em torno de Tikhnovskaya ocorreu apesar das dificuldades econômicas, exacerbadas pelas tensões com a Rússia e pela resposta de Lukashenko à epidemia de coronavírus, chamando-a de "psico

Belarus não organiza eleições consideradas livres desde 1995. Em várias ocasiões, as manifestações foram imediatamente reprimidas, por exemplo, após a presidencial de 2010.

bur-alf/rco/pz/mar-af/mb/cc/am

Notícias