PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Número de mortos seria muito maior se seguíssemos Bolsonaro, diz Mandetta

Mateus Vargas

Brasília

08/08/2020 19h00

Demitido em abril do Ministério da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM) afirma que o presidente Jair Bolsonaro soube, no começo da crise, que o Brasil iria ultrapassar 100 mil mortos, caso ignorasse recomendações de autoridades sanitárias. Para ele, apesar de "sabotagem enorme" de Bolsonaro, o cenário seria "infinitamente pior" se o presidente tivesse imposto uma estratégia de isolamento vertical.

"A gente conseguiu, durante um intervalo, falar para a população brasileira a realidade. E as pessoas conseguiram montar algumas defesas. Muita gente permanece fazendo o que é correto. Se fosse aquela história de quarentena vertical, sai todo mundo de casa e somente pessoas acima de 65 anos ficam, teria sido um número infinitamente superior", disse Mandetta ao Estadão.

Ex-deputado federal e ortopedista, Mandetta foi demitido do governo após semanas de disputas com o presidente sobre pontos vitais da estratégia de combate à covid-19, como a necessidade de distanciamento social. Ele deixou a Saúde com cerca de 30 mil casos e 2 mil mortos pela covid-19.

"Ele (Bolsonaro) foi negacionista desde os primeiros dias. Entregou o jogo no primeiro tempo. A gente tentava trazê-lo de volta para a realidade. Mas ele se recusou", disse Mandetta. "E se recusa até hoje a encarar a realidade, de que é falso o dilema entre economia e saúde."

Para o ex-ministro, a marca de 100 mil mortos pode servir de "choque de realidade" para o governo assumir a gravidade da pandemia. Mandetta avalia que o País está passando pelo pior momento da doença, mas que em setembro "os números provavelmente vão ficar melhores".

Mandetta afirma que não tratou publicamente, como em declarações à imprensa, sobre previsões de mortos pela doença, mas que Bolsonaro sempre soube da gravidade da pandemia. Segundo o ex-ministro, o presidente preferiu ouvir auxiliares que "falavam o que ele queria escutar" e apontavam uma crise de no máximo 3 meses, que deixaria mil mortos.

"O pior cenário não é esse (100 mil mortos)", diz ele, citando o caos de Manaus como exemplo negativo de combate ao novo coronavírus. "Até falência funerária eles tiveram. Aquilo era o pior quadro. E se tivesse prevalecido a vontade dos negacionistas, ia acontecer o mesmo no Brasil todo. A gente ganhou tempo. Conseguimos salvar mais vidas, pois deu para o sistema se organizar", afirma.

Genocídio. Mandetta afirma que "não gosta de banalizar" o uso do termo genocídio, mas que Bolsonaro foi, no mínimo, negligente no combate à covid-19. "É tipo um abandono de incapaz. Você calar o ministério no meio da maior crise sanitária é jogar o povo para a própria sorte."

Para o ex-ministro, que já afirmou que pretende se candidatar ao Planalto em 2022, a estratégia de Bolsonaro pode pesar em futuras disputas políticas. "Ele aposta que as pessoas não vão ter memória. Vai depender muito da leitura, do poder de indignação das pessoas. Vejo que em países que têm a eleição neste ano, como os EUA, a leitura tem sido extremamente dura com negacionistas", afirmou.

O ex-ministro afirma ser irônico que Bolsonaro "debocha" da ciência, mas aposta na vacinação para encerrar a crise. "Tomara que tenha solução. A gente torce. Mas é ruim criar essa expectativa, na tentativa das pessoas diminuírem a sua defesa, seus cuidados, colocando essa sensação de que a vacina está logo ali."

Procurado pelo Estadão, o Palácio do Planalto informou que não comentará as críticas de Mandetta.

Notícias