PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Presa em SP, 'Mina das Balas' é suspeita de vender drogas nas redes sociais

Em seu perfil em uma rede social, mulher se intitula promotora de eventos - Reprodução/Redes sociais
Em seu perfil em uma rede social, mulher se intitula promotora de eventos Imagem: Reprodução/Redes sociais
do UOL

Felipe Munhoz

Colaboração para o UOL, em Lençóis

07/08/2020 19h07

Uma jovem de 25 anos foi presa ontem em Santos, São Paulo, suspeita de vender drogas pelas redes sociais e em festas clandestinas de música eletrônica, mesmo durante a pandemia do novo coronavírus. Ao UOL, um cliente da mulher afirmou que ela era conhecida como 'Mina das Balas' (em referência ao nome popular do ecstasy).

Em seu perfil em uma rede social, a estudante Paloma Alves dos Santos se intitula promotora de eventos e deixa o seu telefone para venda de convites de festas.

No entanto, segundo o cliente, que pediu para não ter o nome divulgado, ela usava a ferramenta 'Stories' (postagem que é apagada automaticamente depois de 24 horas) para oferecer a droga aos clientes e depois entregava por sistema delivery. "Ela vendia pelo Stories do Instagram e também pelo Status do Whatsapp. Ela ficava trocando o número do telefone o tempo todo", disse.

O delegado titular da 1ª Delegacia de Investigações Criminais (Deic), Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, afirmou que a linha de investigação indica que a 'Mina das Balas' não agia sozinha. "Há fortes indícios de que há outras pessoas envolvidas. Até pela quantidade do material recolhido no local, acreditamos nesta hipótese", destacou.

Ainda segundo o delegado, a estudante já atuava neste ramo há algum tempo e apresentou uma motivação recorrente para entrar para o mundo do crime. "Ela alegou o que a maioria fala. Problemas financeiros, dificuldade de encontrar emprego no mercado de trabalho", disse.

385 comprimidos de ecstasy

Após investigações, policiais do Deic cumpriram um mandado de busca e apreensão na residência da estudante, no bairro Vila Belmiro. De acordo com a Polícia Civil, ela confessou o crime e entregou uma caixa de sapatos retirada de seu guarda-roupa que continha 385 comprimidos de ecstasy, duas porções de MD, uma porção de maconha, uma porção de ketamina e cinco pontos de LSD.

Ainda segundo a polícia, no total, foi encontrado aproximadamente 210 gramas de drogas. Os policiais também apreenderam uma balança digital utilizada para pesagem das substâncias químicas, um caderno com anotações da venda de entorpecentes, um aparelho celular e algumas embalagens plásticas vazias.

A estudante foi autuada em flagrante por tráfico de drogas e encaminhada para a Cadeia Pública Feminina de São Vicente. Se for condenada pelo crime, pode pegar de 3 a 15 anos de prisão. A reportagem não encontrou o contato da defesa de Paloma até a publicação deste texto.

Notícias