PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Explosão no Líbano teve 10% da força da bomba nuclear de Hiroshima, em 1945

Uma onda de choque é vista durante a explosão em Beirute, Líbano, em foto obtida de um vídeo nas redes social - Karim Sokhn/Instagram/Ksokhn + Thebikekitchenbeirut/via REUTERS
Uma onda de choque é vista durante a explosão em Beirute, Líbano, em foto obtida de um vídeo nas redes social Imagem: Karim Sokhn/Instagram/Ksokhn + Thebikekitchenbeirut/via REUTERS
do UOL

Do UOL, em São Paulo

05/08/2020 20h44Atualizada em 06/08/2020 09h20

Especialistas da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, apontaram hoje que a explosão de ontem em Beirute teve 10% do impacto da bomba nuclear de Hiroshima, no Japão, lançada durante a Segunda Guerra Mundial, em 6 de agosto de 1945.

Segundo o levantamento dos cientistas, o caso na capital do Líbano foi "inquestionavelmente uma das maiores explosões não nucleares da história".

Os bombardeios atômicos das cidades de Hiroshima e Nagasaki foram realizados pelos Estados Unidos. A bomba atômica de urânio, chamada de "Little Boy" e disparada em Hiroshima, matou quase 140 mil pessoas nos primeiros quatro meses após a explosão. Três dias depois, uma bomba de plutônio - a "Fat Man" - foi lançada sobre Nagasaki, matando direta ou indiretamente mais cerca de 74 mil pessoas.

Em Beirute, cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amônio, substância usada na produção de explosivos e fertilizantes, podem ser a causa da grande explosão.

A substância havia sido confiscada e estava sendo armazenada sem o devido cuidado, informou o presidente do Líbano, Michel Aoun.

A situação causou pânico e destruição na região portuária. Uma gigantesca coluna de fumaça pôde ser vista de toda a cidade, relataram testemunhas e a mídia local.

Vitrines de lojas de diversos bairros estouraram e carros foram abandonados nas ruas sem os vidros e com o airbag acionado. Muitas casas perderam suas sacadas. O impacto foi sentido até no Chipre, a mais de 200 km da costa libanesa.

Pelo menos 135 pessoas morreram, informou o ministro da Saúde, Hamad Hassan, e cerca de 5 mil feridos foram encaminhados para hospitais da cidade.

O balanço, contudo, ainda é provisório e os números sofrem atualização em tempo real. Segundo a Cruz Vermelha, 60 feridos estão em situação crítica.

*Com informações da AFP

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que informou o terceiro parágrafo da matéria, a chamada bomba "Little Boy" foi disparada apenas sobre Hiroshima. A bomba disparada sobre Nagasaki foi chamada de "Fat Man". A informação foi corrigida.

Notícias