PUBLICIDADE
Topo

Presidente do Peru critica reforma sobre imunidade aprovada pelo Congresso

06/07/2020 18h44

Lima, 6 Jul 2020 (AFP) - O presidente peruano Martín Vizcarra criticou nesta segunda-feira uma reforma aprovada pelo Congresso que priva o presidente, ministros e parlamentares da imunidade, questionando sua aplicação porque havia vícios de "inconstitucionalidade" em sua aprovação.

"É um ardil manter a imunidade parlamentar", disse Vizcarra.

O Congresso aprovou essa reforma em tempo recorde no domingo, acrescentando à iniciativa original do governo o fim da jurisdição do presidente e dos ministros.

O Parlamento fez isso horas depois de Vizcarra anunciar no domingo que iria submeter a um referendo em 2021 a eliminação da imunidade parlamentar.

O presidente tomou essa decisão quando viu que sua iniciativa de remover a imunidade dos legisladores não obteve os votos necessários no sábado para serem aprovados no Congresso.

A imunidade permitiu que certos políticos evitassem a prisão depois de serem sentenciados pela justiça.

Vizcarra afirmou que não tem medo de ser privado de sua imunidade.

"Se querem algo contra o presidente, aqui estou eu", disse ele, no primeiro confronto com o Congresso que ocorreu no final de março.

"Não tenho medo de que a imunidade presidencial seja tirada de mim, porque sempre agi com transparência e honestidade ao longo da minha vida", acrescentou.

O presidente do Congresso, Manuel Merino, anunciou que a reforma deve ser ratificada na próxima legislatura, que começará na segunda-feira.

Notícias