PUBLICIDADE
Topo

Grupo de Lima apoia formação de Governo Nacional de Emergência na Venezuela

03/04/2020 05h19

Lima, 2 abr (EFE).- Os países do Grupo de Lima manifestaram nesta quinta-feira apoio à proposta do líder da oposição, Juan Guaidó, de estabelecer um Governo Nacional de Emergência que inclua todos os setores políticos e sociais na Venezuela.

Em um comunicado conjunto publicado pelo Ministério das Relações Exteriores do Peru, o bloco também expressou apreço pela proposta dos Estados Unidos para a formação de um governo de transição. "Vem ao encontro do objetivo do Grupo de Lima de garantir o retorno à democracia na Venezuela", destaca a nota.

O texto conjunto foi assinado pelos governos de Brasil, Bolívia, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e também pela Venezuela, através de Guaidó, reconhecido por mais de 50 nações como presidente interino do país.

COMPROMISO COM A DEMOCRACIA.

No comunicado, o Grupo de Lima reiterou o compromisso de contribuir para o retorno da democracia e do Estado de Direito na Venezuela e pediu o mesmo a outros países, embora ressalte que a força principal deve ser da população local.

"Convocamos a comunidade internacional para enviar uma mensagem clara e inequívoca para pôr fim à crise sofrida pelo povo venezuelano, agravada nestas semanas pela pandemia da Covid-19. Temos convicção de que são os próprios venezuelanos que devem liderar o retorno à democracia na Venezuela, mas, dada a grave crise, é urgente o acompanhamento internacional para encontrar uma solução pacífica nessa direção", afirma a nota.

Sobre a participação dos venezuelanos no processo, o Grupo de Lima reforçou o apoio a Guaidó, reeleito presidente da Assembleia Nacional em janeiro deste ano.

"Apoiamos a proposta do presidente encarregado, Juan Guaidó, da Assembleia Nacional venezuelana, de constituir um Governo de Emergência Nacional que inclua todos os setores políticos e sociais do país", destacou.

FUNÇÕES DO GOVERNO.

Segundo os países do grupo, tal governo de emergência delegaria a um Conselho de Estado as decisões fundamentais para garantir os cuidados de emergência, incluindo a atenuação dos efeitos da pandemia do novo coronavírus, com assistência humanitária internacional e ajuda financeira internacional.

Além disso, deveria ser responsável por providenciar a adoção de regras para a reconciliação interna, com a realização de eleições gerais democráticas, com órgãos eleitorais renovados e independentes, com a supervisão de observadores estrangeiros.

Notícias