PUBLICIDADE
Topo

Trump sanciona lei orçamentária para evitar nova paralisação do governo

15/02/2019 18h57

Washington, 15 fev (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sancionou nesta sexta-feira a lei orçamentária aprovada pelo Congresso ontem para evitar uma nova paralisação parcial do governo federal até o fim do atual ano fiscal.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, confirmou que Trump assinou o documento poucas horas antes do fim do prazo para que agências do governo federal ficassem sem financiamento.

"Ninguém garante que a lei é perfeita, longe disso. Mas é um passo na direção adequada", afirmou Sanders a jornalistas.

Com a sanção, Trump põe fim a uma semana de suspense em Washington diante da perspectiva de uma nova paralisação do governo federal. Democratas e republicanos tinham até a meia-noite desta sexta-feira para chegar a um acordo para aprovar o orçamento.

Pelas discordâncias entre as partes, o governo federal ficou parcialmente paralisado por mais de um mês no início do ano, quebrando um recorde na história do país.

Trump tinha exigido que o orçamento incluísse US$ 5,7 bilhões para financiar o prometido muro na fronteira com o México, mas não conseguiu o aval dos democratas. O projeto sancionado destina US$ 1,37 bilhão para a obra, valor distante do exigido por ele.

Para driblar o Congresso, Trump então decidiu declarar emergência nacional na fronteira e decidiu remanejar US$ 6,6 bilhões de outros órgãos para bancar a construção do tão prometido muro.

Opositores, porém, devem recorrer à Justiça para impedir a manobra de Trump. A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, já prometeu entrar com ação contra a Casa Branca. A mesma promessa foi feita pelo governador da Califórnia, o também democrata Gavin Newsom, que afirmou que encontrará Trump no tribunal.

Para os democratas, a declaração de emergência de Trump para destinar os recursos para a construção do muro é um abuso de poder, já que o Congresso tem a prerrogativa exclusiva de elaborar o orçamento do governo federal. EFE

Notícias