PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA anunciam novas sanções contra Cuba, e Biden promete mais medidas

Ações são motivadas por repressão a manifestantes na ilha - Yander Zamora / Agência Anadolu via Getty Images
Ações são motivadas por repressão a manifestantes na ilha Imagem: Yander Zamora / Agência Anadolu via Getty Images

30/07/2021 20h04

O governo dos Estados Unidos impôs sanções à força policial cubana e a dois de seus líderes hoje, em resposta à repressão do governo a manifestantes, e o presidente norte-americano, Joe Biden, prometeu a líderes cubano-americanos que mais ações estão a caminho.

O Departamento de Tesouro dos EUA disse que as sanções, que aparentam ser amplamente simbólicas, são uma reação às "ações para suprimir protestos pacíficos e democráticos em Cuba e que começaram no dia 11 de julho".

São alvos das sanções dois líderes policiais cubanos, assim como a Força Nacional de Polícia do Ministério do Interior, afirmou o Tesouro.

"Haverá mais, a não ser que ocorra alguma mudança drástica em Cuba, o que eu não espero", disse Biden durante uma reunião com líderes cubano-americanos na Casa Branca.

A reunião aconteceu enquanto a importante comunidade política pede mais apoio para os protestos em Cuba e que representam a maior demonstração popular contra o governo comunista da ilha em décadas.

"Os Estados Unidos estão tomando ações orquestradas para impulsionar a causa do povo cubano", disse Biden.

Biden afirmou que havia pedido aos departamentos de Estado e do Tesouro para reportar novamente em um mês sobre como permitir a remissão de pagamentos de americanos a cubanos sem que o governo cubano ganhe com isso.

Além disso, Biden trabalha em um plano para providenciar comunicação sem fio aos cubanos e ainda aumentar o número de funcionários na embaixada norte-americana em Cuba, segundo afirmou uma autoridade do governo.

Os protestos começaram no início do mês em meio à pior crise econômica no país desde a queda da antiga União Soviética e por conta de uma alta recorde no número de infecções pelo coronavírus. Milhares foram às ruas enfurecidos com a escassez de itens de necessidade básica, com as limitações às liberdades civis, e com a condução da pandemia pelo governo.

Notícias