PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Médicos de hospitais destruídos pela explosão em Beirute recebem feridos no meio das ruínas

05/08/2020 17h32

Uma cena apocalíptica. Esta é a imagem que Beirute ofereceu ao mundo na terça-feira (4) depois de duas explosões maciças que deixaram pelo menos 110 mortos e milhares de feridos. Os vários hospitais da capital, que já enfrentavam a superlotação causada pela pandemia da Covid-19, rapidamente indicaram que estavam totalmente sobrecarregados com o fluxo de feridos. A RFI entrevistou um desse médicos que continuaram a trabalhar debaixo das ruínas, o Dr. Jacques Mokhbat, chefe do departamento de medicina interna do hospital da Universidade Americana Libanesa de Beirute.

Uma cena apocalíptica. Esta é a imagem que Beirute ofereceu ao mundo na terça-feira (4) depois de duas explosões maciças que deixaram pelo menos 110 mortos e milhares de feridos. Os vários hospitais da capital, que já enfrentavam a superlotação causada pela pandemia da Covid-19, rapidamente indicaram que estavam totalmente sobrecarregados com o fluxo de feridos. A RFI entrevistou um desse médicos que continuaram a trabalhar debaixo das ruínas, o Dr. Jacques Mokhbat, chefe do departamento de medicina interna do hospital da Universidade Americana Libanesa de Beirute.

Por Perrine Juan

RFI: Você pode descrever a situação no local do hospital?

Dr. Jacques Mokhbat: O hospital fica na colina Achrafieh, a cerca de quatro quilômetros do porto onde ocorreu a explosão. É um hospital que não é enorme, com 150 leitos, mas que foi muito afetado pela explosão: todas as janelas, todos os tetos, todos os canos, as saídas de ar, tudo explodiu. pela explosão. Felizmente, o sistema de eletricidade e gás continua em operação. Portanto, pudemos estar presentes para administrar o atendimento de pessoas que se apresentaram no hospital. Tivemos um número incalculável de pacientes, ainda não tenho os números finais, mas provavelmente entre 700 e 1.000 pessoas que chegaram na terça-feira à noite quase de repente no hospital. Recebemos no pronto-socorro, no espaço da rua, abrimos espaço também em dois andares, até recebemos no setor de pediatria, no setor de cirurgia, no laboratório, em todos os lugares. Eles foram bem-vindos em todos os lugares, apesar de terem sido recebidos entre os destroços. Nós nos tornamos ainda mais do que um hospital na linha de frente, era um hospital em estado de demolição que continuava funcionando. Tanto que três outros hospitais que estavam ainda mais próximos do local da explosão do que nós se tornaram quase completamente disfuncionais. Eles não tinham mais eletricidade, oxigênio, máscaras ou água. Então eles foram forçados a transferir os pacientes. Muitos foram transferidos para nós e isso aumentou nossa carga de feridos.

Quais são as suas necessidades específicas agora?

Já no início, todos os hospitais do Líbano estão sob enorme pressão como resultado da crise econômica. Como compramos a maior parte de nossos produtos médicos em euros ou dólares e os compramos no mercado externo, isso tornou-se excessivamente difícil [devido à taxa de câmbio]. Já estávamos perdendo força do ponto de vista econômico antes dessa explosão. E também em vista da crise da Covid-19 que caiu sobre nós desde fevereiro de 2019 no Líbano e em todos os hospitais, também temos um fardo econômico duplo. Então essa explosão veio como cereja no topo do bolo. Todo o país estava em declínio econômico, os hospitais já estavam saturados. Especialmente desde a reabertura do aeroporto e das lojas, houve um aumento dramático no número de casos de coronavírus. Estávamos com 30, 40 casos de Covid-19 por dia, agora subimos para 170 casos por dia. Esperávamos que em meados de agosto ou final de agosto atingiríamos o ponto de saturação das unidades de terapia intensiva. Com essa explosão, os hospitais ficaram ainda mais sobrecarregados e, portanto, teremos ainda mais dificuldades e nosso ponto vermelho de assumir o controle do número de casos Covid-19 será muito mais facilmente alcançado. Faço parte da comissão nacional de luta contra o Covid-19. Estávamos nos aproximando do toque de recolher e do fechamento total de todas as empresas. Lá, infelizmente, isso levará ao caos total e a dificuldades econômicas ainda maiores. Eu me pergunto para onde estamos indo. 

Precisamos de todos os itens médicos básicos. Precisamos de infusões, precisamos de antibióticos, temos germes cada vez mais multirresistentes, então precisamos de certos medicamentos que, infelizmente, são cada vez mais caros. Também precisamos de suprimentos básicos como seringas, é simples assim. Não estou falando de coisas mais sofisticadas. O departamento de radiologia também foi atingido no hospital, ainda não fizemos a avaliação para saber o que precisamos em termos de equipamento radiológico, que custa um pouco mais.

Com os hospitais sobrecarregados, para onde os pacientes são transferidos?

Os pacientes são transferidos por todo o Líbano. Temos pacientes que chegaram até Byblos (norte) e provavelmente até Saida (sul), a cerca de 30 ou 40 quilômetros de Beirute. Todos os hospitais nos subúrbios da capital também foram utilizados, até os arredores. Quase todos os hospitais costeiros foram usados ??para acolher pacientes.

Que tipos de lesões vocês trataram desde a explosão?

Tivemos todos os tipos de ferimentos: desde um simples ferimento superficial com alguns pontos a pessoas com cacos de vidro dentro. Todas as lesões são devido a cacos de vidro. Também houve quedas de janelas caindo, armários. Houve mortes. Houve ferimentos nos olhos, ferimentos com cacos de vidro em um tendão, uma artéria... Tudo isso é muito sério, sangra e requer uma cirurgia bastante rápida. Também tivemos estilhaços dentro da barriga, trauma no peito e também trauma neurológico, trauma nervoso, fraturas. Havia muitos ossos quebrados, os ortopedistas trabalharam a noite toda até a manhã de quarta-feira.

Todos os hospitais abrem suas portas gratuitamente no momento?

Certamente. Ninguém nem faz essa pergunta. Existem aproximadamente 25 hospitais públicos e 110 hospitais particulares em todo o Líbano. Hospitais de ensino são na sua maioria hospitais privados, pois pertencem a universidades particulares. Existe apenas uma universidade pública que é a Universidade Libanesa. Quando ocorre um acidente como esse, não há dúvidas sobre o que é privado ou público. Tudo é funcional. Todo mundo trabalha sem fazer a pergunta de quem pagará o que.

É a primeira vez que você testemunha tantos danos?

Efetivamente. Eu vivi quase toda a guerra civil. De estagiário até me tornar médico. Mas nunca vimos tantos casos chegarem ao mesmo tempo em uma sala de emergência. Tivemos explosões algumas vezes com um certo número de feridos, mas nunca tantos. Eu nunca tive que tratar pacientes no chão, costurar pessoas quase na rua. Foi terrivel. Foi incrível o trabalho que foi feito na terça-feira. E eu realmente tenho que prestar homenagem às enfermeiras e aos profissionais médicos que realmente trabalharam de uma maneira incrível e excepcional e realmente sem fazer perguntas, sem dizer nada. Havia um sistema de triagem. Infelizmente, as pessoas não estão prontas para ouvir: "espere lá fora, sua vez chegará". Mas tivemos que fazer uma triagem para priorizar os casos mais graves.

Notícias