PUBLICIDADE
Topo

Covid fecha mais empresas de negros do que de brancos nos EUA

Michael Sasso

14/07/2020 13h26

(Bloomberg) -- As pequenas empresas de propriedade de negros continuam a enfrentar o pior do sofrimento econômico causado pela Covid-19 nos Estados Unidos, fechando a uma taxa que é mais do que o dobro das firmas de proprietários brancos, apesar de uma recuperação parcial em maio, de acordo com estudo recente que rastreia fechamentos em todo o país.

Nos EUA, 26% dos empresários afro-americanos fecharam entre fevereiro e maio, em comparação com 11% de seus colegas brancos, mostrou o Bureau Nacional de Pesquisa Econômica. Os empresários negros estão se saindo pior em parte por causa de sua forte concentração em setores considerados não essenciais e forçados a fechar. Os imigrantes ficaram em segundo lugar entre os grupos demográficos, com uma taxa de fechamento de 25%.

Os novos números mostram uma melhora em relação a um estudo anterior do Bureau feito pelo mesmo economista Robert Fairlie da Universidade da Califórnia em Santa Cruz. Os dados que abrangem o início da pandemia até abril mostraram que 41% dos empresários negros fecharam os negócios nesse período, pelo menos temporariamente. A reabertura de muitos estados e uma modesta recuperação econômica em maio beneficiaram todos os grupos, mas as lacunas raciais persistiram.

"Se uma recuperação mais completa não acontecer logo, as consequências econômicas a longo prazo podem ser graves", disse Fairlie em seu novo trabalho de pesquisa. "Muitos donos de negócios que pertencem às minorias não terão recursos para enfrentar fechamentos prolongados, demanda reduzida por preocupações com a saúde e recessão mais abrangente".

No geral, o número de proprietários de pequenas empresas que operam em todo o país caiu em 2,2 milhões entre fevereiro e maio, ou uma perda de cerca de 15% do total dos EUA. As coisas não estão tão ruins quanto em abril, quando os dados do Bureau mostraram queda de 22% em pequenas empresas que fecharam pelo menos temporariamente.

No entanto, o país ainda tem um longo caminho a percorrer. Como comparação, durante a Grande Recessão, o número de empresários ativos caiu apenas 5%, segundo o Bureau. O estudo não faz suposições sobre quantas empresas permanecerão fechadas permanentemente ou se os programas federais de alívio conseguirão mantê-las na ativa.

Estar em uma indústria favorável parece ter desempenhado um papel nas disparidades raciais. A porcentagem de empresários negros em indústrias essenciais, de 66%, é inferior à média nacional de 76%, mostra o estudo mais recente.

Depois dos negros e dos imigrantes, os próximos grupos demográficos mais atingidos foram os empresários asiáticos e hispânicos, que viram 21% e 19% de seus negócios fecharem, respectivamente.

©2020 Bloomberg L.P.

Notícias