PUBLICIDADE
Topo

Itália impede desembarque de bengaleses no aeroporto de Roma

08/07/2020 12h12

FIUMICINO, 08 JUL (ANSA) - Em uma intervenção que durou mais de sete horas, o governo italiano impediu que 125 passageiros de Bangladesh desembarcassem no aeroporto de Fiumicino, em Roma, na manhã desta quarta-feira (08). Os visitantes foram enviados de volta para Doha, no Catar, de onde o avião partiu. Já os demais passageiros foram submetidos a exames para detectar o novo coronavírus (Sars-CoV-2) e precisarão passar pelo período de quarentena obrigatória de 14 dias.   

A confusão aconteceu porque, desde terça-feira (07), os voos entre Bangladesh e Itália foram proibidos por conta de uma grande quantidade de casos positivos em voos vindos do país. No entanto, a medida não citava o que ocorreria com os bengaleses que fizessem escala em um país autorizado e, de lá, seguissem para o território italiano.   

O prefeito de Fiumicino, Esterino Montino, cobrou dos Ministérios da Saúde, das Relações Exteriores e dos Transportes maior clareza na nova legislação. "Os ministros devem saber que amanhã estão previstos outros dois voos do Catar e um da Índia. E, seguramente, sabem que a cada dia, mesmo que estejamos bem longe da nossa plena capacidade operacional do aeroporto, estão previstas escalas aéreas em países que têm curvas preocupantes de contágios. Até por isso precisamos de uma norma mais clara e mais restritiva para regular eficazmente os fluxos para nosso país", disse Montino após a confusão.   

O temor do prefeito é que, mesmo que sejam poucos casos por dia, essa soma de novas contaminações "torne-se grave e potencialmente incontrolável" e destaca que um novo lockdown "colocaria o país de joelhos".   

Desde o dia 1º de julho, assim como ocorreu em outros países da União Europeia, a Itália reabriu suas fronteiras externas para 14 países e a China - que estará liberada se aplicar a mesma decisão em seu país.   

No entanto, o governo italiano exige que todos os visitantes estrangeiros - com exceção daqueles que fazem parte do bloco e do Tratado de Schengen - precisarão passar por um período de isolamento obrigatório de 14 dias. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Notícias