PUBLICIDADE
Topo

Por que o dólar despencou e a Bolsa disparou nesta semana, em meio à covid?

do UOL

Do UOL, em São Paulo

05/06/2020 17h20

O dólar comercial acumulou queda de 6,6% nesta semana, emendando a terceira semana seguida de desvalorização e fechando abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde 26 de março. A Bolsa subiu 8,28% na semana. O que explica esses resultados, semanas após a Bolsa despencar e o dólar bater recorde atrás de recorde, chegando a beirar R$ 6?

De acordo com especialistas, o otimismo com a reabertura gradual da economia em vários países e a injeção de dinheiro nos mercados são os principais fatores que explicam a queda do dólar e a valorização da Bolsa. Além disso, eles avaliam que o cenário político interno foi mais calmo nesta semana, com a aproximação entre o governo e deputados de partidos do Centrão.

Reabertura da economia em diversos países

Os mercados têm sido impulsionados pelo otimismo em relação a uma retomada da atividade nas principais economias, como Alemanha, França e Reino Unido, devido a relaxamentos graduais das restrições contra o coronavírus.

Segundo analistas da Easynvest, mesmo que os problemas ainda não estejam resolvidos e que haja risco de uma segunda onda de contágio, há expectativa de que o pior da crise econômica do coronavírus já tenha passado.

Os dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos em maio, divulgados hoje, também reforçam essa avaliação positiva. O relatório mostrou que a taxa de desemprego na maior economia do mundo teve uma queda inesperada em maio, passando de 14,7% em abril para 13,3%. As expectativas de analistas ouvidos pela agência de notícias Reuters eram de que a taxa subisse para 19,8%.

BCs injetaram muito dinheiro no mercado

Ao mesmo tempo, continuam no radar dos investidores as medidas de estímulo adotadas por diversos países.

Analistas do Bradesco destacam, por exemplo, a ampliação do programa de estímulos feito pelo Banco Central Europeu para enfrentar a crise do coronavírus, para um total de 1,35 trilhão de euros (R$ 7,57 trilhões).

O governo alemão também aprovou um pacote de 130 bilhões de euros (R$ 729 bilhões) em gastos públicos, e há a expectativa de pacotes adicionais de estímulo nos EUA, que podem chegar a US$ 1 trilhão (R$ 4,97 trilhões).

Medidas como essas aumentam a liquidez global, ou seja, aumentam o volume de dinheiro disponível para investidores. Parte desses dólares acaba vindo para o Brasil. Com mais dólares aqui, a cotação da moeda tende a cair.

Com ações baratas, Bolsa atrai capital externo

Além disso, como as taxas de juros no mundo todo estão em níveis muito baixos, ativos mais arriscados, que podem render mais, atraem esse capital, como o mercado de ações.

"Com dinheiro em abundância em um cenário de juros baixos no mundo todo, digamos que o dinheiro parado 'queima' na mão", afirmou Matheus Soares, da Rico Investimentos.

Ações de empresas brasileiras acabam sendo favorecidas. Como a Bolsa brasileira caiu muito ao longo da crise, chegando a acumular desvalorização de 45% no ano, a percepção é de que as ações agora estão baratas.

"O mundo não para de colocar dinheiro no sistema. Fundos de investimento dedicados a mercados emergentes, caso do Brasil, voltaram a captar. Depois de o dinheiro ter ido para as Bolsas norte-americanas, depois para as europeias, chegou agora a vez das Bolsa dos emergentes", afirmou Roberto Motta, responsável pela mesa institucional de futuros da Genial Investimentos.

E a crise política no Brasil?

No Brasil, apesar de o número de infectados e de vítimas fatais do coronavírus não parar de subir, os investidores também estão otimistas em relação à retomada da economia, com planos de reabertura das atividades em algumas cidades.

Em relação ao cenário político, analistas avaliam que a semana foi mais calma. "Tivemos uma semana de mar de almirante", afirmou Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital Modalmais. "Não aconteceu nada surpreendente. O presidente Jair Bolsonaro até pediu para os apoiadores dele não irem às manifestações".

Denilson Alencastro, economista-chefe da Geral Asset, destacou a aproximação do governo com deputados de partidos do Centrão. Nas últimas semanas, o governo ofereceu cargos a esse grupo, visando obter apoio a projetos de seu interesse na Câmara. "Tivemos uma guinada nas últimas semanas, porque estávamos num cenário em que o governo estava com problemas, houve saída de ministros, confusão política. Agora, o governo começou a ficar mais próximo do Centrão", disse.

Para Motta, "o governo ter apoio do Centrão é fundamental para o Brasil retomar as reformas que o país precisa. Sem falar que também diminui bastante o risco de impeachment, que assustou o mercado", afirmou.

Tito Gusmão, CEO da Warren Gestão de Patrimônio, também destacou o risco menor de impeachment. "Não que o mercado goste ou não de Bolsonaro, mas um processo de impeachment seria algo demorado, tenso e que traria muita volatilidade", disse.

Os desdobramentos políticos, porém, continuam sendo vistos como motivo de cautela, com expectativa de manifestações nas ruas no fim de semana.

O presidente Jair Bolsonaro voltou a chamar os manifestantes de grupos pró-democracia contrários ao seu governo de "marginais" e "terroristas" nesta sexta-feira, e pediu que as forças de segurança do país atuem contra as manifestações marcadas para domingo se os grupos "extrapolarem" os limites.

Dólar acumula alta de 24% no ano

Apesar das quedas recentes, o dólar acumula alta de 24,29% em 2020, afetado por um cenário de incertezas políticas, juros baixos e fortes impactos econômicos causados pela pandemia de coronavírus.

Para os mercados, ainda é difícil dizer se o real deve manter a recuperação das últimas semanas. Riscos negativos, como a possibilidade de uma segunda onda de infecções por covid-19 e incertezas políticas, permanecem no horizonte.

A Bolsa acumula queda de 18,17% no ano.

*Com Reuters

Os 5 hábitos financeiros que devemos manter após a quarentena

UOL Economia

Notícias