PUBLICIDADE
Topo

Com alta na procura, preço dispara e cloroquina some das farmácias

A aposentada Edna das Neves observa seus exames. Ela ficou sem hidroxicloroquina para tratar artrite e artrose - Arquivo Pessoal
A aposentada Edna das Neves observa seus exames. Ela ficou sem hidroxicloroquina para tratar artrite e artrose Imagem: Arquivo Pessoal
do UOL

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

26/05/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Após governo defender cloroquina para tratamento da covid-19, procura do remédio disparou nas farmácias
  • Os preços aumentaram e os remédios sumiram das prateleiras
  • Pacientes que usavam o remédio antes da pandemia para tratar outras doenças ficaram desasistidos
  • Laboratórios e farmacêuticas culpam a alta do dólar e a dificuldade em importar matéria-prima

"Quando meu remédio faltou, meus membros passaram a doer tanto que entrei no hospital mancando e saí em uma cadeira de rodas." O medicamento a que a autônoma Maria Raquel Miranda, 56, se refere é a hidroxicloroquina, em falta nas farmácias desde que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou a defender o uso dela e da cloroquina para o tratamento da covid-19.

Maria Raquel sofre de doença mista do tecido conjuntivo, "parente do Lúpus", inflamação provocada pelo próprio organismo que só é tratada com ajuda do medicamento. Sua pele forma rachaduras profundas e as articulações doem.

A procura pelos remédios deve aumentar ainda mais depois que o governo publicou na semana passada um protocolo pedindo aos médicos que receitem a droga a pacientes com sintomas leves de covid-19. O desabastecimento, no entanto, já afeta Maria Raquel e quem precisa do composto para tratar doenças como lúpus, artrite reumatoide e malária.

Se em janeiro houve 6.940 buscas por hidroxicloroquina na plataforma Consulta Remédios, em maio (até o dia 21) elas somaram 488.152, segundo a empresa, com 20 milhões de usuários. Portanto, a procura aumentou cerca de 70 vezes.

As reclamações sobre a dificuldade de encontrar a droga surpreenderam a Associação Brasileira Superando Lúpos, Doenças Reumáticas e Raras. Em janeiro, antes da pandemia, foram registradas 121 reclamações. Nos 22 primeiros dias de maio, elas somaram 1.279.

O pico de vendas se deu em 21 de março, quando apenas os dois compostos foram responsáveis por um aumento de 93% nas comercializações de remédios voltados para tratar o sistema músculo-esquelético (afetado pelo lúpus e reumatismo), segundo a Interplayers, consultoria do ramo de saúde que mediu o aumento da venda de cloroquina e hidroxicloquina nas drogarias.

Graças a isso, o faturamento das farmácias com a venda desses componentes também subiu: cresceu 75% entre fevereiro e abril em relação aos três meses anteriores e quase dobrou (95%) na comparação com o mesmo período de 2019, diz a filial brasileira da consultoria IQVIA, especializada em dados do setor de saúde

Naquele 21 de março, Bolsonaro anunciou que os laboratórios químicos e farmacêuticos do Exército brasileiro ampliariam sua produção de cloroquina. Na época, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, começou a falar sobre a suposta eficácia da substância em relação ao novo coronavírus. A declaração de Trump criou uma corrida por hidroxicloroquina em farmácias de Washington, capital americana.

Preços nas alturas

A procura foi tanta que os preços aumentaram, ao mesmo tempo em que as drogas desapareceram das prateleiras. "Quando eu finalmente encontrei o remédio, queriam me cobrar uma fortuna", diz Maria Raquel, que usa um medicamento manipulado.

Em dezembro eu paguei R$ 240 por uma caixa com 120 comprimidos. Agora, me cobraram R$ 545 e ainda disseram que tinha desconto
Maria Raquel Miranda, autônoma

A autônoma Maria Raquel Miranda pagava R$ 240 por uma caixa de comprimidos. "Agora, me cobraram R$ 545" - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
A autônoma Maria Raquel Miranda pagava R$ 240 por uma caixa de comprimidos. "Agora, me cobraram R$ 545"
Imagem: Arquivo Pessoal
O preço subiu 50% em média, segundo a associação de Lúpus e Doenças Reumáticas: de R$ 40 para R$ 60 a caixa da hidroxicloroquina com 30 comprimidos.

Com a alta procura, os remédios sumiram das prateleiras. "A satisfação de quem tentou comprar esses compostos, que normalmente fica acima de 90%, atingiu níveis inferiores a 10% na semana de 16 de maio", afirma Bruna Silvestro, diretora da Interplayers.

As razões são muitas. Uma delas foi a decisão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de condicionar a venda desses componentes à apresentação de receita médica.

De farmácia em farmácia

A obrigatoriedade de levar a prescrição dificulta a vida da aposentada Edna das Neves, 71, que usa hidroxicloroquina para tratar de artrite e artrose. É o filho dela, Fábio Augusto das Neves, 35, quem vai de farmácia em farmácia tentando encontrara o medicamento.

"Em meados de março, quando disseram que era bom para a covid, o remédio sumiu. Foi quase um mês procurando", conta Edna.

Sem medicação por 15 dias, a aposentada passou a sentir dores nos joelhos, cotovelos e tornozelos. "E eles retiveram a receita. Como comprei só uma caixa, não consigo mais comprar a outra. Fora o preço. Antes custava R$ 39, agora pago R$ 70."

No Hospital do Mandaqui (em São Paulo) me passaram um telefone para pedir receita médica. Liguei, eles puxaram no histórico, mas já faz 40 dias e ninguém me retorna
Fábio Augusto das Neves, 35

O UOL ligou para grandes redes de drogarias em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Minas Gerais, Amazonas e Ceará. Apenas em Minas havia estoque de hidroxicloroquina. Nos demais estados, não havia previsão para que o remédio chegasse.

Brasil precisa importar

Apenas quatro farmacêuticas fabricam os medicamentos no Brasil. A Farmanguinhos, da Fiocruz, é a única a produzir cloroquina, toda ela destinada ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Já a hidroxicloroquina — a versão mais branda do remédio — sai das fábricas do Exército para o sistema público de saúde, enquanto os laboratórios privados Apsen e EMS fornecem a droga para as farmácias e rede privada de saúde.

Para produzir os comprimidos, o Brasil precisa importar a matéria-prima de países asiáticos, principalmente da Índia, que no final de março proibiu a exportação dos insumos a fim de usá-los na fabricação local do medicamento. A dificuldade de importar e a alta de 30% na cotação do dólar este ano fizeram os preços subirem, justificam os laboratórios.

Outra razão para o aumento dos preços e da falta do produto é que "os governos de Minas Gerais, Paraná e Pernambuco fizeram confisco de insumos médicos para uso em hospitais", segundo o CEO da Abrafarma (Associação Brasileira de Farmácias e Drogarias), Sergio Mena Barreto.

A cloroquina continua em falta no país. Seja porque não há estoque suficiente para a demanda, seja porque houve retenção, ou porque governos compraram maior quantidade dos laboratórios.
Sergio Mena Barreto, da Abrafarma

As farmácias, no entanto, também são responsáveis pelo aumento de preços, diz a coordenadora do programa de Saúde do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), Ana Carolina Navarrete. Ela observa que a Cmed (Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos) permite que o teto de preço dos remédios seja tão alto que, em tempos de crise, os reajustes ficam abusivos.

"Essa regulação de preços não é capaz de refrear aumentos abusivos. As referências de preços para o teto determinado pela Cmed são de países com realidades muito diferentes da brasileira", opina Navarrete.

Procurada, a Cmed não respondeu. Sua resposta será incluída na reportagem quando for enviada.

"Não tomem esse remédio"

Maria Raquel lembra, indignada, do dia em que, sem encontrar a hidroxicloroquina, acabou de cama. "Sem ela eu travo. Naquele dia, eu não me abaixava mais. Fiquei tão mal que, quando tive alta, saí do hospital em uma cadeira de rodas."

Se eu pudesse, diria para quem tem covid-19 que não use esse remédio. Ele tem muitos efeitos colaterais para quem já precisa. Só eu sei a dor que passei até chegar ao uso da hidroxicloroquina. Fiz muito exame, tomografias. As pessoas não tem noção do perigo.
Maria Raquel Miranda, autônoma

Brasileiros em dúvida sobre eficácia da cloroquina

AFP

Notícias