PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus: Últimas notícias e o que sabemos até esta sexta-feira (03)

Luiz Henrique Mandetta foi defendido por Rodrigo Maia e FHC - Foto: Foto: Marcello Casal/ Agência Brasil
Luiz Henrique Mandetta foi defendido por Rodrigo Maia e FHC Imagem: Foto: Foto: Marcello Casal/ Agência Brasil
do UOL

Do UOL, em São Paulo

03/04/2020 14h33

A sexta-feira ficou marcada por um recado duro por parte do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em relação ao avanço da pandemia do novo coronavírus pelo mundo. Ele fez um apelo para que governos e atores abram caminho para que milhões de pessoas sejam protegidas diante da pandemia.

"O vírus mostrou a rapidez com que pode atravessar fronteiras, devastar países e pôr vidas em risco. O pior ainda está para vir", alertou, conforme relata pelo colunista Jamil Chade no UOL.

O discurso contrastas com a posição do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, que hoje voltou a atenuar os efeitos da pandemia com uma comparação inusitada durante conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

"Esse vírus é igual uma chuva, vai molhar 70% de vocês. Isso ninguém contesta. Toda a nação vai ficar livre da pandemia quando 70% for infectada e conseguir os anticorpos. Destes 70%, uma pequena parte, que são os idosos e quem tem problemas de saúde, vai ter problemas sérios", disse.

No Brasil, o último boletim do Ministério da Saúde apontava 299 mortes e 7910 casos confirmados. Porém, desde então, estados como São Paulo (20 óbitos a mais), Mato Grosso e Bahia já registraram mais vítimas fatais do novo coronavírus, o que indica novo aumento significativo no boletim desta tarde.

No mundo, o número de casos já ultrapassaram a marca de um milhão, com a Espanha e Itália beirando os 120 mil infectados cada. Reino Unido, Estados Unidos e França também vivem momentos delicados na tentativa de controle da pandemia, com aumento substancial no número de vítimas.

Após críticas de Bolsonaro, Mandetta é defendido por Maia e FHC

No campo político, as críticas de Jair Bolsonaro a Luiz Henrique Mandetta, dizendo que às vezes "falta humildade" ao ministro da Saúde, repercutiram negativamente em relação a grande parte dos atores principais.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que Mandetta cumpre papel fundamental na crise do novo coronavírus e não vai pedir demissão. "Mesmo sendo desautorizado, Mandetta cumpre papel fundamental baseado na ciência, e é fundamental que ele não saia da condução dessa crise. Ele não vai pedir o boné mesmo com toda a adversidade", afirmou Maia, que ainda disse que Bolsonaro não tem coragem de demiti-lo.

Já o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso disse, em entrevista ao colunista do UOL Tales Faria, que Mandetta no momento preenche o papel de Bolsonaro de orientar a população em meia à pandemia. "Acho que o Mandetta é um dos poucos que tenta competir com Bolsonaro, tenta preencher esse vazio. Alguém tem que dizer para que lado andamos".

Rodrigo Maia e Fernando Henrique Cardoso também concordam que não é hora de falar em impeachment. Mas o ex-presidente fez uma ponderação. "Quando você renuncia? Quando não tem mais condições de governar. Não acho que seja o caso. Mas sou realista, se tiver um momento que chegar, ele pode renunciar, aí o vice assume", disse.

São Paulo registra 208 mortes

Entre os estados brasileiros, o mais populoso São Paulo apresenta o maior número de mortos por covid-19 desde o início da pandemia: 208 em boletim divulgado na noite de ontem pela secretaria estadual. No final da tarde, o Ministério da Saúde havia anunciado que o estado contabilizava ainda 188 casos fatais, o que é um prenúncio de um novo aumento significativo no boletim que será divulgado à tarde pela equipe de Mandetta.

Outros estados brasileiros também confirmaram óbitos pela manhã. A Bahia, por exemplo, registrou duas mortes pela manhã, elevando para cinco o total desde o início da pandemia. Já Mato Grosso anunciou a primeira morte, a de um paciente de 54 anos.

Diante da expansão dos números, as medidas para ampliar a quarentena se espalham pelo Brasil. A prefeitura de Salvador, por exemplo, decidiu manter os shoppings e comércio da cidade fechados por mais 15 dias. O prazo anterior terminava amanhã, agora o fechamento vai até o dia 18 de abril. Clubes sociais, recreativos e esportivos também foram afetados pela medida.

Espanha e Itália têm quase 120 mil infectados cada

Países europeus que mais sofrem com o novo coronavírus no momento, Espanha e Itália registram quase 120 mil infectados cada. As autoridades espanholas anunciaram até o momento 117.710 casos oficiais, enquanto as italianas 119.827.

A Itália, no momento, está em um momento de desaceleração da epidemia. O país contabilizou em um dia 760 óbitos, chegando a 14.681 no total. Na Espanha foram 932 mortes nas últimas 24 horas, com 10.935 desde o início da pandemia.

O Reino Unido também acompanha uma escalada do novo coronavírus. O número de mortes aumentou em 684 e chegou a 3.605 na tarde de hoje, um aumento de 23% em relação ao dia anterior. Até a manhã desta sexta um total de 173.784 pessoas haviam sido examinadas, das quais 38.168 tiveram um diagnóstico positivo.

Nos Estados Unidos, a apreensão é grande. Ontem, o país registrou 1.169 mortes por covid-19 em 24 horas, segundo contagem de referência hoje pela Universidade Johns Hopkins, atingindo o recorde de óbitos mundiais em um único dia desde que a pandemia começou.

Estudo identifica fármaco ainda em testes capaz de bloquear covid-19

Na área da ciência, enquanto os testes em relação aos efeitos da cloroquina contra a covid-19 ainda não são conclusivos, pesquisadores buscam outras alternativas.

Um estudo que contou com a participação de pesquisadores de vários países identificou um fármaco em fase clínica de testes - o hrsACE2 (ACE2 humano solúvel recombinante) - que bloqueia os efeitos da covid-19 no início da infecção pelo novo coronavírus.

Uma equipe do Instituto de Bioengenharia da Catalunha (Ibec) na Espanha, liderada por Núria Montserrat, conseguiu decifrar como o coronavírus interage e infecta células renais humanas. A partir daí, detectou o potencial do fármaco, segundo o estudo, publicado ontem na revista científica "Cell".

Porém, ainda não há uma previsão de quando e se o fármaco poderá ser usado no combate à pandemia.

Notícias