PUBLICIDADE
Topo

Navios de cruzeiro com portadores de covid-19 e 4 mortos atracam na Flórida

Zaandam, embarcação da Holland America - Divulgação
Zaandam, embarcação da Holland America Imagem: Divulgação

em Fort Lauderdale (EUA)

02/04/2020 22h03

O navio de cruzeiro "Zaandam" e seu auxiliar, "Rotterdam", que transportam quatro falecidos e dezenas de portadores do novo coronavírus, chegaram hoje ao porto de Fort Lauderdale, na Flórida. Isto encerra uma angustiante odisseia para seus passageiros e tripulantes após serem rejeitados em vários países.

Os navios atracaram na doca do porto de Everglades em Fort Lauderdale, 50 km ao norte de Miami, enquanto os passageiros aplaudiam e saudavam, de suas cabines, as pessoas em terra.

"A Flórida nunca pareceu tão bem!", disse Rick de Pinho, advogado de 53 anos a bordo do "Rotterdam", em entrevista à AFP.

Quatro pessoas morreram no navio "Zaandam", por razões ainda não divulgadas, enquanto 107 passageiros e 143 tripulantes de ambas embarcações relataram sintomas de gripe durante a viagem, embora várias tenham se recuperado.

No total, 14 pessoas (13 passageiros e um membro da tripulação) serão levadas para dois hospitais na Flórida, disseram as autoridades.

"Esses viajantes poderiam ter sido qualquer um de nós ou membros de nossa família, capturados inesperadamente em meio a esse fechamento sem precedentes das fronteiras mundiais que ocorreu em questão de dias e sem aviso prévio", disse Orlando Ashford, presidente da Holland America Line, que opera os barcos.

"Estamos felizes em levar nossos passageiros para casa e ajudar os poucos que precisam de serviços médicos adicionais", acrescentou.

A bordo, os passageiros comemoraram com alegria quando ouviram seus capitães anunciarem que finalmente atracariam, após serem rejeitados em vários portos desde 14 de março.

"O 'Zaandam' e o 'Rotterdam' acabam de receber autorização para os dois navios irem para Port Everglades", disse o capitão Bas Van Dreumel no alto-falante do segundo navio, de acordo com uma gravação obtida pela AFP.

"Agora vamos sentir falta do navio", brincou De Pinho.

O cruzeiro "Zaandam" começou em 7 de março na Argentina e terminaria em 21 de março no Chile. Mas, quando um surto de coronavírus eclodiu a bordo, o capitão tentou desembarcar em outro porto desde 14 de março, sem sucesso até esta quinta-feira.

Por esse motivo, a empresa que administra o serviço de cruzeiros enviou "Rotterdam" da Califórnia na semana passada, para ajudar "Zaandam" no Pacífico e transportar quase 800 passageiros para lá.

Então, os dois navios percorreram o Canal do Panamá juntos e navegaram pelo Caribe, com ambos transportando um total de 1.250 passageiros e 1.186 tripulantes.

Plano de desembarque

Quando os navios atracaram na tarde de quinta-feira, a linha de cruzeiros da Princess Cruises anunciou que também esperava enviar outro navio, o "Coral Princess", para o mesmo porto de Fort Lauderdale neste sábado, com 12 casos confirmados de coronavírus a bordo.

As linhas Princess Cruises e Holland America são subsidiárias do grupo Carnival.

De acordo com os planos de desembarque de "Zaandam" e "Rotterdam", os passageiros saudáveis serão embarcados em ônibus desinfetados que os transportarão diretamente para o aeroporto.

A maioria viajará em voos fretados, enquanto os residentes da Flórida voltarão para casa em carros particulares.

"Os passageiros não saem do navio desde 14 de março e ficam confinados em suas cabines desde 22 de março", informou a Holland America.

Enquanto isso, os passageiros com sintomas leves permanecerão a bordo isoladamente até melhorar.

A tripulação também não descerá dos navios.

A chegada iminente dos navios a Fort Lauderdale gerou controvérsia e recebeu rejeição inicial das autoridades da cidade e do governador da Flórida, Ron DeSantis, que não queria acrescentar mais pressão ao seu já limitado sistema de saúde.

Mas na noite de quarta-feira, DeSantis cedeu e disse que aceitaria a entrada de americanos, enquanto o presidente Donald Trump disse logo depois que trabalharia para expatriar cidadãos britânicos e canadenses.

DeSantis, aliado de Trump, resistiu a receber passageiros nos navios, dizendo que não queria usar os recursos limitados da Flórida com estrangeiros.

"Disseram-me que havia apenas estrangeiros nesses navios sem conexão com a Flórida. Então eu estava pensando: por que eles querem trazê-los para a Flórida?", disse o presidente republicano na quarta-feira à noite, explicando seu argumento anterior. "Mas acontece que existem cidadãos americanos lá e alguns são realmente da Flórida", acrescentou.

Com mais de 8.000 casos de coronavírus e 128 mortes, a Flórida é o quinto estado americano com mais infecções. A maioria deles está concentrada nos condados de Miami, Palm Beach e Broward.

Atualmente, existem dezenas de navios de cruzeiro alinhados em alto mar, perto de Miami e Fort Lauderdale, esperando para atracar devido à pandemia. Muitos têm sua tripulação a bordo.

Notícias