Topo

Expedição a navios naufragados não acha óleo, mas faz imagens incríveis

do UOL

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

16/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Pesquisadores analisaram o fundo do mar em busca de contaminação a naufrágios no litoral do Nordeste
  • Duas embarcações já foram vistoriadas, sem terem sido afetadas
  • Monitoramento abrange também recifes de corais e foi repassado a autoridades

O derramamento de óleo que atinge o mar do Nordeste desde agosto afetou praias, corais, mangues, rios e fauna. Mas também pode atingir um verdadeiro museu que está no fundo do mar, com navios antigos que afundaram em viagens à região.

Em Maceió, dois dos três navios naufragados já foram visitados neste mês. Um terceiro será avaliado nos próximos dias. A intenção é saber se houve algum tipo de contaminação com o material tóxico.

"Fomos nos naufrágios do Dragão e do Draguinha, ambos a 30 metros de profundidade. A ótima notícia é que não identificamos nenhum vestígio de óleo", conta Fernanda Paiva, mergulhadora e instrutora de mergulho da empresa Let's Dive, parceira do IMA (Instituto do Meio Ambiente) em monitoramentos no fundo do mar.

O visita ao naufrágio do Dragão ocorreu no dia 2 e no Draguinha no dia 3. Neste domingo (17), a equipe volta ao Draguinha para fazer uma nova vistoria. O terceiro navio, o Sequipe, será visitado em data ainda ser marcada.

Segundo Paiva, os navios são sempre visitados pelas equipes do estado, turistas e pesquisadores. "A gente mergulha com regularidade neles, mas com a questão do óleo ficamos preocupados de eles terem sido atingidos, pois havia uma suspeita de que o óleo estaria vindo pelo fundo do mar. Fizemos um mergulho inicialmente por fora dos recifes da Pajuçara e depois fizemos duas operações para verificar esses dois naufrágios", afirma.

Naufrágio do Draguinha, em Alagoas, analisado em busca de contaminação por óleo - Luis Miguel Filipe/Let's Drive
Naufrágio do Draguinha, em Alagoas, analisado em busca de contaminação por óleo
Imagem: Luis Miguel Filipe/Let's Drive

A instrutora conta que os dois navios visitados afundaram emborcados e têm avarias que os deixam ainda mais belos. "Eles são nossos principais pontos de mergulho aqui, mas são antigos, estão desmantelados. Isso quer dizer que não dá mais para ver o desenho do barco, porque afundaram e ficaram emborcados. Com o tempo, mais aberturas no casco foram surgindo", relata.

Além de navios, as equipes também vistoriaram corais no fundo do mar em busca do óleo. As imagens foram repassadas a órgãos ambientais para ajudar no monitoramento da costa.

No feriado da Proclamação da República, a equipe vai fazer mais vistorias em recifes de corais. "Até agora só avistamos óleo só na praia da Pajuçara, no início de setembro, mas foi uma quantidade muito pequena."

As embarcações

O navio Dragão afundou na costa de Maceió em 1927, a aproximadamente 8 milhas náuticas da costa (14,8 km). Segundo o site de pesquisas Naufrágios do Brasil, o nome oficial da embarcação brasileira é André Rebouças.

Já o Draguinha afundou a 7 milhas da costa (12,9 km) da praia da Pajuçara, em julho de 1961. Também de fabricação nacional, a embarcação tinha nome de Draga Número 9.

O terceiro navio ainda a ser visitado, o Sequipe afundou em novembro de 1935, a 6 milhas da costa (11,1 km). O nome oficial da embarcação brasileira é Navelloyde Número 4.

Notícias