PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Ucrânia pede intervenção ocidental em Donbass, onde conflito se intensifica

05/03/2021 16h43

Kiev, 5 Mar 2021 (AFP) - A Ucrânia denunciou nesta sexta-feira (5) um aumento da violência nas linhas de frente com separatistas pró-russos no leste do país, e pediu a intervenção de seus aliados ocidentais, enquanto Moscou afirmou temer uma "guerra total".

"Vimos uma escalada do conflito nas últimas semanas", lamentou o chefe de gabinete presidencial da Ucrânia, Andriy Yermak, durante uma conferência virtual.

"Provocações premeditadas estão sendo realizadas contra as forças armadas ucranianas para acabar" com a trégua, afirmou ele, referindo-se ao cessar-fogo a que se chegou em julho passado, o mais longo desde o início da guerra, em 2014.

Yermak pediu a Washington e aos países europeus aliados de Kiev, incluindo França e Berlim, que apadrinharam o processo de paz, que "intensifiquem" seus "esforços" para acalmar a situação.

Por sua vez, o Kremlin declarou-se "profundamente preocupado com as crescentes tensões" no front, que atribuiu a Kiev.

"Estamos percebendo cada vez mais bombardeios regulares vindos do lado ucraniano", ressaltou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, na quinta-feira, alertando que tais atos podem desencadear uma "guerra total".

A Ucrânia e os países ocidentais consideram que a Rússia apoia os separatistas, fornecendo-lhes tropas, armas e financiamento,algo que Moscou nega.

A guerra no Donbass ucraniano, que já causou mais de 13.000 mortes, começou logo depois que um presidente ucraniano a favor da Rússia fugiu para esse país, e um governo pró-ocidente assumiu o poder na Ucrânia. Após a mudança no poder executivo, o governo russo anexou a península ucraniana da Crimeia.

Depois de meses de intensas batalhas, as hostilidades diminuíram consideravelmente com a assinatura dos acordos de paz de Minsk, em fevereiro de 2015.

Desde então, e apesar de alguns avanços, o processo de paz estagnou.

Desde meados de fevereiro, oito militares ucranianos morreram na linha de frente, enquanto os separatistas relataram três mortes nesta sexta-feira.

dg-ant/tbm/mm/jvb/eg/bn/mvv

Notícias