PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Naufrágio do "Kursk", uma tragédia russa, completa 20 anos

10/08/2020 09h23

Paris, 10 Ago 2020 (AFP) - Em 12 de agosto de 2000 a explosão acidental de um torpedo provocou o naufrágio do submarino nuclear "Kursk", considerado uma joia da frota russa. O destino dos 118 homens presos a 108 metros de profundidade no mar de Barents manteve a nação em suspense até o fim trágico, nove dias depois, da maior catástrofe sofrida pela Marinha do país desde o fim da União Soviética.

- Naufrágio -Na manhã daquele sábado, o gigantesco submarino "Kursk" de 154 metros de comprimento participa nos exercícios em grande escala da Frota do Norte, na fronteira entre Rússia e Noruega.

Às 11H28 (4H28 de Brasília) os sismógrafos noruegueses registram uma violenta explosão, seguida, 10 minutos depois, de uma segunda detonação mais forte.

O submarino é localizado na manhã de domingo pela Marinha russa. A conexão de rádio com a tripulação está cortada. Apenas o SOS que um tripulante lança por meio de golpes no casco é capturado.

No fim da tarde, um primeiro submarino de resgate é acionado, mas bate contra os destroços do "Kursk" e precisa subir rapidamente à superfície.

- Recusa de ajuda ocidental - "Problemas técnicos": com estas palavras a Marinha russa anuncia publicamente o acidente do "Kursk" dois dias mais tarde, em 14 de agosto.

Segundo o comandante da Marinha, uma "explosão no primeiro compartimento de torpedos" danificou o submarino, obrigando a embarcação a descer a uma zona internacional, 150 km ao norte do porto russo de Severomorsk. A Marinha trabalha com a hipótese de um choque com um navio estrangeiro.

Os militares afirmam que o reator do submarino está paralisado e sob controle, e que os 24 mísseis a bordo não representam nenhum perigo de explosão nuclear. Finalmente nenhum vazamento radioativo foi registrado.

De acordo com a Marinha, a tripulação tem oxigênio suficiente para resistir até 18 de agosto.

Apesar do temor pelos marinheiros, os russos rejeitam as ofertas de ajuda de britânicos, noruegueses e americanos.

Equipados com ferramentas obsoletas ou inadequadas, os russos continuaram sozinhos as operações de resgate em plena tempestade, acumulando fracassos.

- Putin de férias -Vladimir Putin permanece de férias em Sochi, no Mar Negro. Espera até 16 de agosto para dar uma primeira declaração, vestido com roupa casual: a situação é "crítica", mas a Rússia "dispõe dos meios de resgate necessários".

No mesmo dia, após uma conversa por telefone com o presidente americano Bill Clinton, o ex-agente da KGB ordena que país "aceite ajuda de onde vier". Mas não interrompe as férias.

Seu silêncio provoca críticas na imprensa.

"A catástrofe deveria ser uma obsessão (...) para o Estado, começando pelo presidente", afirma o jornal Izvestia. A imprensa acusa os militares de mentir.

No dia 18, Putin afirma que as possibilidades de salvar a tripulação são "muito escassas, mas ainda existem" e finalmente decide voltar a Moscou.

- Destino selado -No dia 21, após 30 horas de trabalhos, mergulhadores noruegueses abrem a escotilha do submarino, que encontram completamente inundado em seu interior. Todos os tripulantes estão mortos.

Em Vidiaievo, o porto base do Kursk, Putin é criticado pelas esposas dos mortos, que não conseguem conter as lágrimas.

Em 23 de agosto, o governo decreta dia de luto nacional, mas as famílias dos marinheiros se negam a aderir ao momento. O presidente afirma sentir-se "culpado por esta tragédia".

- Depoimento póstumo -O MP russo encerra a investigação em julho de 2002, sem apontar responsáveis. De acordo com suas conclusões, um torpedo explodiu e destruiu todo o arsenal. Os marinheiros morreram no mais tardar oito horas após a explosão.

Uma mensagem encontrada em outubro de 2000 no corpo de um tenente entre os destroços do submarino mostra que ao menos 23 homens sobreviveram em um primeiro momento à explosão e se refugiaram em uma cabine de descompressão.

"Minha querida Natasha e meu filho Sasha!!! Se receberem esta carta, isto significa que estou morto. Amo muito vocês", escreveu Andrei Borisov antes de ficar sem ar.

burs-kd/mw/pz/lp/mar/fp

Notícias