PUBLICIDADE
Topo

Petróleo recua, com dúvidas sobre acordo da Opep e queda nas exportações da China

Iander Porcella

São Paulo

09/12/2019 17h33

O petróleo fechou em queda nesta segunda-feira, com os investidores ainda digerindo os efeitos do acordo alcançado pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e aliados, grupo conhecido como Opep+, na reunião de sexta-feira. Também pesou nos contratos da commodity a queda nas exportações chinesas em novembro.

O petróleo WTI para janeiro recuou 0,30%, a US$ 59,02 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para fevereiro caiu 0,22%, a US$ 64,25 o barril, na Intercontinental Exchange (ICE).

Na sexta-feira, a decisão da Opep+ de ampliar seu corte de produção em 500 mil barris por dia até março de 2020, para um total de 1,7 milhão de bpd, contribuiu para o apetite por risco. Ainda mais após a Arábia Saudita afirmar que fará cortes acima de sua cota, voluntariamente. Hoje, no entanto, investidores analisam se o acordo será suficiente para conter o excesso de oferta da commodity.

"Nós não esperamos que esses cortes equilibrem o mercado no primeiro trimestre de 2020. No entanto, os cortes levarão um superávit significativo a níveis menos assustadores", avaliam Warren Patterson e Wenyu Yao, analistas de commodities do ING. "O acordo deve durar até o final do primeiro trimestre, enquanto o quadro continua a apresentar um grande superávit em relação ao segundo trimestre", acrescentam.

Na opinião do analista de metais do Commerzbank Carsten Fritsch, também é preciso ver "se todos os países realmente implementarão os cortes acordados".

Já a balança comercial da China, divulgada no fim de semana e que mostrou queda de 1,1% das exportações no mês passado, trouxe preocupação sobre a desaceleração econômica global, o que poderia diminuir a demanda pela commodity energética. Dados da Administração Geral de Alfândegas chinesa, porém, mostram que o país asiático ampliou em 6,7% suas importações de petróleo bruto em novembro, na comparação anual, para 45,74 milhões de toneladas.

Notícias