Topo

Acuado por protestos, governador de Porto Rico desiste de tentar reeleição

21/07/2019 19h54

San Juan, 21 jul (EFE).- Pressionado por uma série de manifestações que começou há mais de uma semana, o governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, anunciou neste domingo que deixará a presidência do Partido Novo Progressista (PNP) e não tentará a reeleição no pleito que será realizado no país em 2020.

Rosselló fez os anúncios em discurso transmitido ao vivo por uma conta que mantém no Facebook. Além de desistir da reeleição, o governador de Porto Rico afirmou que aceita o processo de impeachment aberto pela Assembleia Legislativa na última semana.

O governador enfrenta vários protestos desde a última sexta-feira, quando 889 páginas de mensagens trocadas por ele e outros integrantes do alto escalão do governo por um aplicativo de mensagens foram reveladas pelo Centro de Jornalismo Investigativo.

Nos diálogos, o governador e seus assessores insultam e zombam de jornalistas, políticos - aliados e de oposição -, artistas e mulheres. Um dos citados é o cantor porto-riquenho Ricky Martin, alvo de referências vulgares de Rosselló por ser homossexual.

Antes do anúncio, Rosselló se reuniu com vários integrantes do governo de Porto Rico em San Juan. Ainda hoje, ele deve se encontrar com prefeitos do Partido Novo Progressista, apesar de vários deles já terem avisado que não participarão da reunião.

No discurso feito pelas redes sociais, o governador de Porto Rico afirmou que respeita a ordem constitucional e que por isso aceita o processo de impeachment aberto pela Assembleia Legislativa por causa das mensagens vazadas.

"Dou boas-vindas ao processo iniciado pela Assembleia Legislativa, o qual enfrentarei com toda a verdade, força e de maneira responsável", disse Rosselló.

O governador reiterou que ouviu as exigências da população nas manifestações realizadas ao longo da última semana e reconheceu que pedir desculpas não é suficiente para reconquistar a confiança dos cidadãos porto-riquenhos.

"Um setor significativo da população se manifesta há dias e estou ciente da insatisfação que sentem. O direito de se expressar sempre será protegido pela Constituição", afirmou.

"Porto Rico terá a oportunidade de escolher uma nova liderança. Cabe a mim agora, nos meses que restam, continuar o trabalho que me foi confiado e entregar ao meu sucessor ou sucessora um governo com indicadores econômicos positivos, focado em sair da crise econômica e social que enfrentamos há anos", continuou o governador.

O pronunciamento ocorre no nono dia de protestos que exigem a renúncia de Rosselló. Amanhã, uma greve nacional e uma grande manifestação em San Juan, capital da ilha, foram convocadas para exigir que ele deixe o poder. EFE

Mais Notícias