PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Chile altera toque de recolher visando eleição de membros de Constituinte

11/05/2021 02h10

Santiago, 10 mai (EFE).- Kits de proteção contra a covid-19 nas seções eleitorais e uma mudança no toque de recolher são algumas das medidas anunciadas pelo governo do Chile nesta segunda-feira visando o pleito que vai definir os 155 membros da Assembleia Constituinte no próximo fim de semana, com quase 15 milhões de eleitores aptos a votar.

"Nestas eleições há um duplo compromisso: primeiro, que sejam transparentes, participativas e democráticas. Segundo, que sejam pacíficas e seguras", disse o presidente do país, Sebastián Piñera.

No sábado e no domingo, o Chile vai eleger os 155 responsáveis por redigir uma nova constituição, além de prefeitos, conselheiros e governadores regionais.

A votação, que juntamente com o referendo constitucional de outubro do ano passado é considerada uma das mais importantes em três décadas de democracia, foi inicialmente marcada para abril, mas acabou adiada devido a uma grave segunda onda da pandemia de covid-19.

Segundo Piñera, as condições de saúde neste fim de semana serão "muito melhores" do que em abril, o que se traduz em "menos contágios, menos hospitalizações, menos mortes e mais pessoas vacinadas".

As eleições, que foram divididas em dois dias para evitar a propagação do vírus, terão um horário recomendado para mulheres grávidas e idosos (à tarde). Também serão distribuídos kits com materiais de proteção para os funcionários das seções eleitorais e o público em geral, acrescentou o político.

Para incentivar a participação, o início do toque de recolher no domingo passará das 21h para as 2h de segunda-feira, e viagens para outras regiões do país serão permitidas 48 horas antes e depois da votação.

Por maioria esmagadora, os chilenos aprovaram em outubro de 2020 a elaboração de uma nova carta magna como forma política de lidar com a grave onda de protestos sociais que começou em outubro de 2019.

O processo constitucional vai durar até 2022, com a realização de outro referendo. Se a nova constituição for aprovada, o Chile se tornará o primeiro país com uma carta magna escrita de forma paritária.

Quanto às eleições municipais, serão eleitos os vereadores e conselheiros municipais de 346 comunas (divisão territorial), além dos governadores das 16 regiões do país.

Notícias