PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Milhares de caminhoneiros presos na Inglaterra passam o Natal em seus veículos

25/12/2020 12h17

Além da árvore em miniatura pendurada no retrovisor e correntes de papel penduradas nos táxis, houve pouca alegria para os milhares de caminhoneiros presos em um antigo campo de aviação no sudeste da Inglaterra, na véspera de Natal.

Além da árvore em miniatura pendurada no retrovisor e correntes de papel penduradas nos táxis, houve pouca alegria para os milhares de caminhoneiros presos em um antigo campo de aviação no sudeste da Inglaterra, na véspera de Natal.

Vários milhares de caminhões de carga ficaram bloqueados por dias ao redor do porto de Dover, no sul da Inglaterra, desde que a França fechou as fronteiras com o Reino Unido, em uma tentativa de impedir a propagação de uma nova variante do coronavírus.

Os militares do Exército iam de caminhão em caminhão, realizando testes rápidos de coronavírus, que oferecem um resultado em cerca de 40 minutos, como parte das medidas para tentar reiniciar a viagem.

Pawel, um motorista polonês de 34 anos, tinha acabado de fazer o teste e disse que seu plano era ir para Folkestone a 26 milhas (42 km) de distância, pegar o Eurotúnel e voltar para casa com sua família.

"É impossível sair", disse ele sobre seus três dias no campo de aviação de Manston, nos arredores de Ramsgate, onde muitos caminhões ficaram estacionados enquanto a crise do transporte era resolvida.

"Não tenho palavras para descrever o que estamos sentindo aqui. Todas as nossas famílias estão esperando por nós, emocionadas."

Ele disse que os motoristas estão furiosos com a França por fechar suas fronteiras em resposta ao surgimento de uma nova variante do coronavírus potencialmente mais contagioso. No caminho de volta, disse que retaliaria não parando ali "para a comida, para gasolina, nada".

"Noventa por cento das pessoas aqui também não vão parar na França", disse ele.

Comida quente e banheiros limpos

No campo de aviação, um vento frio de dezembro sopra do Canal da Mancha. O local mal iluminado, administrado pelo Departamento de Transporte com a ajuda das forças armadas, era um labirinto de caminhões confuso.

Os motoristas esperavam chegar aos respectivos portos depois de passar dias sem ir a lugar nenhum, mas disseram que não estava claro quais balsas operariam para remediar o atraso, tanto na véspera de Natal quanto no dia de Natal.

Em um determinado momento, houve buzinaço. Vans de alimentação gratuita circulavam com hambúrgueres e comida tailandesa.

Alguns disseram estar insatisfeitos com a comida, mas outros disseram que era farta, complementada por grupos de voluntários trazendo comida quente, inclusive da comunidade polonesa.

"Isso foi muito bom, ficamos muito gratos por isso", disse Pawel.

Também havia banheiros químicos que pareciam limpos, embora os motoristas reclamassem que estavam cheios. "Ficamos presos, já se passaram três dias", disse o piloto ucraniano de Kiev, Valery, 37, que ainda não havia feito o teste.

"Eles nos conduziram aqui e nos disseram para ficar. Precisamos ir para casa já. Talvez possamos fazer isso para o Ano Novo?

"Não há instalações, nem chuveiros, nada", reclamou.

Longa espera

Outros motoristas disseram que havia chuveiros, mas foi uma longa caminhada para encontrá-los.

Radko Ivanov, 56, da Bulgária, pediu irritado que os militares também fossem testados  e reclamou que outros motoristas, em caminhões menores, estavam manobrando para escapar da fila. "A situação é terrível", disse ele, reclamando de falta de organização. "Devo adivinhar o que tenho que fazer."

Na hora do almoço da véspera de Natal, ainda havia 3.200 caminhões no local e pelo menos 1.800 motoristas haviam sido testados, de acordo com as Forças Armadas. Ao todo, 320 militares realizam testes em Manston, no porto de Dover e na rodovia M20, onde mais caminhões estavam esperando.

Em Manston, havia três unidades do exército, incluindo uma base de engenheiros de Maidstone nas proximidades.

Dois grupos de voluntários Sikhs distribuíam comida à noite na M20, onde muitos outros motoristas presos estavam estacionados.

Notícias